EFE >> Feliz com Macron, Merkel não vê mudança em pacto de estabilidade da UE | Mundo | Edição Brasil

A chanceler da Alemanha, Angela Merkel, voltou a expressar nesta segunda-feira sua alegria pela vitória de Emmanuel Macron na França e manifestou sua confiança de que ambos trabalharão juntos para dar à União Europeia (UE) “um futuro seguro e de sucesso”, mas adiantou que não vê motivos para mudar o Pacto Europeu de Estabilidade e Crescimento.

Em coletiva de imprensa, Merkel rejeitou assim a pedido lançado ontem à noite por seu ministro das Relações Exteriores, o social democrata Sigmar Gabriel, que defendeu a necessidade de que Berlim apoie Macron e acabe com a política de “ortodoxia fiscal” e de “apontar o dedo”, e que inicie um plano alemão-alemão de investimentos.

A chanceler assegurou que a Alemanha sempre tenta ajudar, mas deixou claro que seu apoio não pode substituir as medidas que a França deverá tomar e lembrou que o Estado francês “deve tomar suas decisões”.

Após indicar que não acredita que Berlim deva mudar a política econômica que defende na União Europeia (UE), Merkel destacou que não ouviu “nenhuma crítica” de Macron ao Pacto de Estabilidade e lembrou que os sócios europeus já mostraram “flexibilidade” para França nesse contexto em anos anteriores.

“O que a França precisa são resultados”, prosseguiu a chanceler, para acrescentar que estes serão avaliados ao longo da nova legislatura e para enfatizar que é preciso esperar que o novo presidente apresente seu programa de reformas.

Só depois disso será possível falar de como apoiar essas reformas, disse Merkel, evitando entrar em detalhes.

Pouco antes, o porta-voz da chefe de governo da Alemanha, Steffen Seibert, tinha deixado claro que Merkel não havia mudado de posição em relação à rejeição aos eurobônus e evitou também falar de um possível fundo de investimentos bilateral.

A chanceler lembrou que a França não apresenta “uma taxa de investimento ruim” e destacou que é a Alemanha que está propondo aumentar a sua.

Sobre as críticas feitas durante a campanha pelo presidente eleito francês ao superávit exportador da Alemanha, Merkel destacou que o motor econômico do país é, neste momento, o consumo interno e indicou que prevê que esse superávit, que responde “em parte à qualidade de seus produtos” e à política do Banco Central Europeu (BCE), diminua um pouco nos próximos anos.

À margem do debate econômico suscitado pelo ministro das Relações Exteriores e vice-chanceler alemão, Merkel assegurou que não tem “a mínima dúvida” de que trabalhará bem com Macron, um político que levou “esperança” a milhões de franceses e a muitos alemães e europeus.

Após elogiar sua campanha “corajosa” em defesa de uma Europa aberta e de uma economia social de mercado, lembrou que a amizade entre Alemanha e França é uma “pedra fundamental” da política alemã e ratificou sua decisão de trabalhar em conjunto com os franceses para enfrentar os desafios comuns dos dois países e da UE.

Integrantes do Ministério das Relações Exteriores da Alemanha, por sua vez, defenderam hoje o pedido do titular do departamento de acabar com a austeridade fiscal, apesar de diversos analistas o enquadrarem na necessidade dos social democratas, que integram a grande coalizão de governo, de estabelecer diferenças com Merkel neste ano eleitoral.

O Ministério das Relações Exteriores alemão deixou claro que a proposta de Gabriel de criar um fundo de investimentos franco-alemão era do ministro, não do governo, e na mesma linha se pronunciou o Ministério das Finanças, dirigido pelo conservador Wolfgang Schäuble.

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores alemão, Martin Schäfer, lembrou que Gabriel e Macron falaram muito sobre essas questões quando ambos eram titulares de Economia e explicou que sua proposta parte da base de que é preciso ajudar a França a iniciar suas reformas porque, se não, “em cinco anos teremos (Marine) Le Pen”.

Fonte Oficial: http://www.efe.com/efe/brasil/mundo/feliz-com-macron-merkel-n-o-ve-mudan-a-em-pacto-de-estabilidade-da-ue/50000243-3260121?utm_source=wwwefecom&utm_medium=rss&utm_campaign=rss.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!