Jornal do Comércio >> Dólar fecha em leve alta com cautela política e antes de feriado nos EUA

O último dia do mês de junho foi marcado por leve alta no dólar, com os investidores na defensiva diante de cautela com o cenário político e antes de uma semana recheada de dados econômicos e eventos importantes nos EUA. Além disso, o Banco Central não deverá promover leilões de contratos de swap nos primeiros dias de julho, o que poderá deixar o mercado enxuto, segundo especialistas. A alta das commodities, porém, limitaram o avanço da moeda americana ante divisas emergentes.

No início da tarde, o dólar chegou a zerar ganhos, após a formação da Ptax de junho, que fechou aos R$ 3,3082, com alta de 0,39% sobre o fechamento anterior (R$ 3,2952). “Assim que a Ptax foi definida, o dólar zerou os ganhos. Além disso, a queda do CDS (risco Brasil medido pelo contrato de swap de default de crédito) e a alta do petróleo contribuíram para o movimento”, disse um operador do mercado. No entanto, a notícia de atraso na votação da reforma trabalhista no plenário do Senado para a segunda semana de julho manteve a divisa dos EUA em leve alta.

Ainda assim, o movimento foi contido. Para o diretor da Wagner Investimentos, José Raimundo Faria Júnior, o atraso da votação da reforma trabalhista não é algo preocupante, uma vez que a aprovação já é dada como certa.

A grande dúvida, segundo Júnior, é a reforma da Previdência diante da dificuldade de Temer sobreviver na Câmara. A partir da próxima semana, começa a contagem de dez sessões no Congresso para a defesa do presidente Michel Temer em relação à denúncia criminal feita pela Procuradoria-Geral da República com base nas delações do empresário Joesley Batista, da JBS, e que foi entregue à Câmara. Tais incertezas, somadas ao recesso parlamentar, devem manter o dólar na faixa dos R$ 3,30 durante o mês de julho, estima Fernando Pavani, CEO e fundador da BeeCâmbio.

O calendário externo na próxima semana foi outro motivo que, na visão do diretor da Wagner Investimentos, manteve o investidor estrangeiro na defensiva. Na terça-feira (4) é feriado do Dia da Independência nos EUA, cujos mercados ficarão fechados. Além disso, a semana terá indicadores econômicos de peso. Entre eles, dois de indústria e o relatório de emprego (payroll).

Embora a cautela tenha prevalecido, o avanço de mais de 2% do petróleo e a valorização do minério de ferro tiraram pressão altista da moeda americana.

No mercado à vista, o dólar terminou esta sexta-feira, 30, em alta de 0,23%, aos R$ 3,3120. O giro financeiro registrado somou US$ 1,56 bilhão. Na mínima, ficou em R$ 3,2868 (-0,53%) e, na máxima, aos R$ 3,3170 (+0,38%). No mês de junho, a moeda americana acumulou alta de 2,04% e de janeiro a junho teve avanço de 0,93%. No mercado futuro, o dólar para agosto subiu 0,11%, aos R$ 3,3275. O volume financeiro movimentado somou US$ 16,03 bilhões. Durante o pregão, a divisa oscilou de R$ 3,3065 a R$ 3,3365.

Fonte Oficial: http://jcrs.uol.com.br/_conteudo/2017/06/economia/571362-dolar-fecha-em-leve-alta-com-cautela-politica-e-antes-de-feriado-nos-eua.html.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!