Jornal do Comércio >> Número de consumidores sem acesso a crédito cresce

Consumo


Notícia da edição impressa de 06/07/2017.
Alterada em 05/07 às 23h51min

Número de consumidores sem acesso a crédito cresce

Liberação de recursos ficou mais difícil para 46% das pessoas

/JOÃO MATTOS/arquivo/JC

Aumentou de 21% para 25% a parcela dos brasileiros que tentaram efetuar compras a prazo ou obter algum tipo de financiamento no último mês de maio e não conseguiram, principalmente por estarem com o nome na lista de inadimplentes ou por não terem comprovante de renda.

Os dados são do Indicador de Uso do Crédito e de Propensão ao Consumo, divulgados ontem pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil).

O levantamento é feito mensalmente em 12 capitais das cinco regiões brasileiras: São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Porto Alegre, Curitiba, Recife, Salvador, Fortaleza, Brasília, Goiânia, Manaus e Belém. Da enquete, participam 800 pessoas de todas as classes sociais, de ambos os sexos, com idade a partir dos 18 anos. O objetivo é reunir dados sobre a evolução da utilização de crédito e consumo em geral pelos consumidores.

Para 46% dos consultados está difícil a obtenção de crédito. A economista-chefe do SPC Brasil, Marcela Kawauti, disse que “crédito fácil e desburocratizado pode parecer algo positivo para quem precisa de dinheiro imediato, mas por envolver a aplicação de juros elevados pode levar este consumidor a uma situação de inadimplência e de desajuste do orçamento”.

A pesquisa mostrou que seis em cada 10 consumidores brasileiros (58%) não recorreram a nenhuma modalidade de crédito. O restante (42%) indicou ter utilizado ao menos uma das opções do mercado. As alternativas mais apontadas foram os cartões de crédito (35%) e os cartões de loja e crediário (16%). O cheque especial foi o recurso empregado por 7% dos sondados, 5% indicaram os empréstimos e 4% deles, os financiamentos.

Entre os que usaram os cartões de crédito, 65% o fizeram com compras em supermercados; 52% com remédios e outros produtos de farmácias; 37% com roupas, calçados e acessórios; 35% com combustível; e 28% em bares e restaurantes.

Intenção de compras cai para 38,6% no terceiro trimestre, diz o Ibevar

Interesse em adquirir produtos da chamada linha branca está maior

Interesse em adquirir produtos da chamada linha branca está maior

/FABIO RODRIGUES POZZEBOM/ABR/JC

A intenção de compra do consumidor passou de 40% no segundo trimestre para 38,6% no terceiro trimestre de 2017, de acordo com levantamento do Instituto Brasileiro de Executivos de Varejo (Ibevar). Apesar da redução, a intenção de gastos no período subiu em categorias como a linha branca, que passou de R$ 1.607,00 para R$ 1.803,00 (alta de 12,2%), e móveis, que foi de R$ 1.566,00 para R$ 1.756,00 ( 12,1%).

Quando comparada a intenção de gastos entre os dois trimestres, também houve aumento em viagem e turismo, que passou de R$ 1.444,00 para R$ 3.116,00 (variação de 115,8%); material de construção, que foi de R$ 5.571,00 para R$ 6.427,00 (15,4%); e vestuário e calçados, que subiu de R$ 304,00 para R$ 339,00 (11,4%).

No que diz respeito à intenção de uso do crediário, o percentual passou de 72% para 70,7%. A expectativa de variação do desemprego diminuiu, passando de 5,1% no segundo trimestre de 2017 para 4,1% no terceiro trimestre de 2017. A intenção de compra pela internet passou para 83,7% no terceiro trimestre. De acordo com Pedro Guasti, CEO da Ebit, empresa especializada em informações de comércio eletrônico, “o agravamento da crise política ocorrida em junho impactou negativamente a confiança dos consumidores virtuais”, fazendo com que a intenção de compras voltasse ao patamar do 1º trimestre de 2017 após melhora ocorrida no 2º trimestre.


Seja o primeiro a comentar esta notícia

Fonte Oficial: http://jcrs.uol.com.br/_conteudo/2017/07/economia/572126-numero-de-consumidores-sem-acesso-a-credito-cresce.html.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!