Valor >> Ibovespa retoma os 64 mil pontos com política e exterior

SÃO PAULO  –  Uma confluência de fatores positivos no cenário político e no mercado internacional fez com que o Ibovespa subisse 1,57% aos 64.836 pontos, o maior patamar registrado desde o início da crise institucional, quando o índice chegou à mínima de 61.597 pontos. O giro financeiro ficou em R$ 10,11 bilhões, o volume mais alto desde 16 de junho, e acima da média diária do ano, que é de R$ 6,2 bilhões. Apesar da recuperação de parte das perdas recentes, a crise institucional fez com que o índice perdesse o rali das bolsas globais.

O mercado de ações já começou o dia em alta com os investidores otimistas com a aprovação da reforma trabalhista no plenário do Senado. O projeto que altera a legislação trabalhista foi enviado à sanção presidencial com o aval de 50 senadores e a discordância de 26 parlamentares. Levantamentos prévios à votação apontavam um placar favorável de no máximo 42 votos. A avaliação dos investidores é que aumentam as chances de aprovação da reforma da Previdência Social.

No começo da tarde, a notícia da condenação do ex-presidente Lula a 9 anos e seis meses de prisão por corrupção e lavagem de dinheiro no caso do Tríplex fez aumentar as ordens de compras de ações. O índice, que operava com leve alta de 0,30%, chegou a subir 1,18% minutos após a divulgação da notícia.

O juiz Sérgio Moro afirmou que o ex-presidente pode apresentar sua apelação em liberdade. Lula só será preso se for condenado em segunda instância pelo TRF (Tribunal Regional Federal). Investidores consideram que ainda é cedo para fazer projeções sobre a permanência ou não do ex-presidente na disputa eleitoral de 2018. A avaliação é de que o processo do Tríplex é o que teria mais chances de absolvição do ex-presidente. Como ele responde a outros processos é possível que novas condenações possam afastá-lo da corrida presidencial, o que agrada aos investidores, que preferem um candidato pró-mercado.

O desempenho positivo dos mercados internacionais deu força extra à alta do Ibovespa. O índice Nasdaq subiu 1,10%, o S&P 500 ganhou 0,73% e o Dow Jones teve alta de 0,57%. A valorização ocorreu depois que a presidente do Fed, banco central americano, Janet Yellen, em depoimento ao Congresso, disse que a taxa de juros nominal não precisa subir muito para que a política monetária se torne neutra. Yellen reafirmou que os apertos monetários serão graduais.

As boas notícias para o mercado de ações tiveram ajuda da alta do preço do petróleo no mercado internacional. Os contratos futuros de petróleo WTI com vencimento em agosto subiram 1% para US$ 45,49 o barril. Aqui, as ações da Petrobras, que representam 10% da composição do Ibovespa, subiram mais de 3%. Os papéis ordinários ganharam 3,90% e as ações preferenciais tiveram alta de 4,95%.

As ações do sistema financeiro fecharam com forte alta. Os papéis do Banco do Brasil subiram 2,85%, as ações preferenciais do Bradesco ganharam 2,65%, os papéis ordinários subiram 2,85%. As ações do Santander ganharam 2,71%. Os papéis do Itaú tiveram alta de 1,08% mesmo depois de o banco J.P. Morgan ter rebaixado as ações do banco de overweight (acima da média do mercado) para neutra.

Apesar da alta de hoje, a bolsa brasileira perdeu o rali das bolsas globais. Desde o início da crise, em 18 de maio, o índice Dow Jones, dos Estados Unidos, subiu 3,89%, em reais, a mesma valorização da bolsa mexicana. A bolsa da Argentina teve alta de 2,17% e o Ibovespa caiu 4%. “A bolsa brasileira ficou parada à espera uma definição política, ninguém sabe o que vai acontecer. O Ibovespa deixou de capturar o melhor momento do mercado global”, diz um gestor.

A situação política e a recuperação mais lenta do que o esperado da economia são fatores que limitam a valorização do Ibovespa na mesma proporção das bolsas americanas. As taxas de desemprego continuam altas, o crescimento da economia foi revisado para baixo e há a incerteza sobre a permanência do presidente Michel Temer no cargo. A possível saída dele faria com que o deputado Rodrigo Maia, presidente da Câmara dos Deputados, assumisse o cargo. A leitura de quais seriam as consequências dessa mudança divide os investidores.

Há quem aposte que Maia poderia agilizar a aprovação das reformas estruturais, consideradas essenciais para diminuir o déficit fiscal e reativar a economia. Mas há quem duvide que ele tenha aprovação do Congresso para aprovar as reformas. Outra dúvida entre os investidores é sobre a manutenção da atual equipe economica. “Tenho dificuldade para enxergar a bolsa brasileira acompanhando o rali global deste ano”, diz Pablo Spyer, diretor da corretora Mirae Asset.

Para Marco Saravalle, estrategista da XP Investimentos, depois de perder o rali de alta global das bolsas, o Ibovespa poderá ganhar fôlego com sinais mais concretos de recuperação da atividade econômica. “O investidor de bolsa olha os fundamentos e os resultados financeiros das empresas. Os resultados do segundo trimestre devem vir melhores e ajudar na recuperação da bolsa.

Fonte Oficial: http://www.valor.com.br/financas/5036142/ibovespa-retoma-os-64-mil-pontos-com-politica-e-exterior.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!