Jornal do Comércio >> Setor de serviços tem a menor queda em 26 meses

A safra recorde de grãos no País e resultados melhores em alguns ramos industriais ajudaram a diminuir a retração no volume de serviços prestados em maio ante maio de 2016. A queda de 1,9% foi a menos intensa em 26 meses consecutivos de perdas, segundo os dados da Pesquisa Mensal de Serviços, divulgados nesta quinta-feira pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

“Não dá ainda para afirmar que há uma recuperação”, ponderou Roberto Saldanha, analista da Coordenação de Serviços e Comércio do IBGE. “Desde abril de 2015, o setor de serviços vem apresentando taxas negativas. Na verdade, vem caindo desde janeiro de 2015. O movimento foi interrompido em março daquele ano (2,3%), daí voltou à trajetória de queda”, lembrou o pesquisador.

Na comparação com maio de 2016, houve expansão nos transportes, serviços auxiliares dos transportes e correio (4,9%), e nos serviços prestados às famílias (1%). O crescimento observado nos transportes foi o primeiro resultado positivo desde março de 2015.

“Desde então, o setor apresentava taxas negativas de uma forma constante. O que explica isso? Uma maior demanda por parte dos setores industrial e agrícola, que contrataram mais os serviços de transportes; e também o aumento das exportações, que, no caso, atingiram mais o ramo aquaviário. Como tem um peso pequeno, foi o transporte terrestre que teve contribuição maior para o crescimento, não só o rodoviário, mas o ferroviário também”, explicou Saldanha.

O desempenho dos serviços prestados às famílias contribuiu para o arrefecimento da inflação. “Observamos uma melhora na renda das famílias e também uma estabilidade dos preços dos serviços que compõem o grupo. Então isso de uma certa forma contribuiu para um incremento”, justificou.

Na direção oposta, os segmentos com perdas em maio foram os de outros serviços (-6,2%); serviços profissionais, administrativos e complementares (-5,7%); e serviços de informação e comunicação (-2,9%). “Os serviços de informação e os profissionais têm peso muito grande. Eles interferiram de uma forma negativa para que o total ficasse ainda negativo”, lembrou Saldanha.

O agregado especial das atividades turísticas registrou recuo de 5,2% em relação a maio de 2016. Em termos de composição da taxa global de volume em maio, as contribuições positivas foram dos segmentos transportes (1,2 ponto percentual) e serviços prestados às famílias (0,1 ponto percentual).

O setor de serviços fechou os primeiros cinco meses do ano (janeiro-maio) com queda acumulada de 4,4%, frente aos cinco primeiros meses de 2016. O resultado acumulado dos últimos 12 meses representa queda maior, de 4,7%.

 

Fonte Oficial: http://jcrs.uol.com.br/_conteudo/2017/07/economia/573663-setor-de-servicos-tem-a-menor-queda-em-26-meses.html.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!