Jornal do Comércio >> Conduzido pelo exterior, dólar cai ao menor nível desde delação s R$ 3,1850

O dólar no mercado à vista teve nesta sexta-feira (14), a quinta queda em seis dias, acumulando perdas de 3,54% no período A moeda fechou em baixa de 0,75%, aos R$ 3,1850 – menor valor desde 17 de maio, aos R$ 3,1340 – dia em que foi divulgada a denúncia do empresário Joesley Batista, dono da JBS, contra o presidente Michel Temer e o seu ex-assessor Rodrigo da Rocha Loures.

Os ajustes do dólar foram conduzidos sobretudo pelo exterior, segundo os profissionais de câmbio. Com a agenda política mais fraca em Brasília nesta sexta, os principais catalisadores das vendas da moeda foram os dados da economia dos Estados Unidos piores que o previsto, que indicam na visão dos analistas financeiros menores chances de elevação de juros no país neste ano.

Frustraram as expectativas, entre eles o índice de inflação ao consumidor, vendas no varejo e sentimento do consumidor elaborado pela Universidade de Michigan, divulgados hoje. O sentimento do consumidor recuou de 95,1 em junho para 93,1 na preliminar de julho, ante expectativa de 94,7 dos analistas ouvidos pelo Wall Street Journal. A inflação ao consumidor ficou estável entre maio e junho, quando a projeção era de avanço de 0,1%, e as vendas no varejo baixaram 0,2% no período, contrariando expectativa de alta de 0,1%.

Com isso, tesourarias de instituições financeiras, investidores estrangeiros e exportadores deram continuidade ao movimento de redução de posições cambiais compradas, que foi desencadeado na sexta-feira da semana passada, dia 7.

Para o diretor da corretora Correparti Jefferson Rugik, o dólar caiu acompanhando a fraqueza da moeda americana no exterior, após os números piores divulgados nesta sexta da agenda americana. Adicionalmente, o clima mais ameno na seara política e o fluxo cambial mais vendedor do que comprador contribuiu para o movimento, uma vez que o exportador segue vendendo dentro da sua necessidade de caixa e o investidor estrangeiro continuou trazendo recursos para participar dos futuros IPOs.

O economista-chefe da Guide Investimentos, Ignácio Crespo, disse que o ajuste do dólar esteve ligado ao ambiente externo positivo para os ativos de risco, e o real se incluiu, mas sem destaque em relação a outras divisas emergentes e ligadas a commodities.

“O risco Brasil continuou hoje a sua sequência de quedas, influenciado pela queda do dólar, alta do petróleo e as perspectivas menores de elevação de juros nos EUA”, diz Crespo. Às 17h23 desta sexta, o risco Brasil recuava 1,77%, para 223,773 pontos-base, informou a CM Capital Markets.

No mercado futuro, o contrato de dólar para agosto fechou com queda de 0,75%, aos R$ 3,1850. Durante a sessão, registrou mínima aos R$ 3,1890 e máxima, aos R$ 3,2215. O giro movimentado somou cerca de US$ 12,981 bilhões.

Fonte Oficial: http://jcrs.uol.com.br/_conteudo/2017/07/economia/573960-conduzido-pelo-exterior-dolar-cai-ao-menor-nivel-desde-delacao-s-r-3-1850.html.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!