Jornal do Comércio >> Juros fecham em queda pela 3ª sessão consecutiva alinhados ao exterior

Os principais contratos de juros futuros fecharam a sessão regular desta terça-feira, 18, em baixa, a terceira consecutiva, acompanhando a queda do rendimento dos títulos norte-americanos e europeus e também o movimento de recuo global do dólar. O ambiente interno mais calmo com a política, com o Congresso Nacional em recesso, também contribuiu para o alívio dos prêmios. A ponta curta reflete especialmente a expectativa de corte da Selic nas próximas reuniões do Comitê de Política Monetária (Copom).

A taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2018 (220.740 contratos) fechou em 8,645%, de 8,665% no ajuste anterior. A taxa do DI para janeiro de 2019 (174.455 contratos) caiu de 8,55% para 8,51%. A taxa do DI com vencimento em janeiro de 2021 (158.815 contratos) encerrou a 9,58%, de 9,62%.

Repercute desde cedo no dólar, nos Treasuries e, consequentemente, nos ativos por aqui a derrota do governo do presidente dos EUA, Donald Trump, no Senado, após o líder republicano na Casa, Mitch McConnell, retirar da pauta a reforma do sistema de saúde, que revogaria e substituiria o Obamacare. Com isso, crescem as dúvidas quanto à capacidade de o governo aprovar propostas para impulsionar a economia, ao mesmo tempo em que esfriam ainda mais apostas numa alta de juros nos EUA este ano. Esta perspectiva já vinha perdendo força após a ata do último encontro do Federal Reserve (Fed, banco central dos EUA) e depois do testemunho da presidente do Fed, Janet Yellen, no Congresso, semana passada.

Perto das 16h30, a taxa da T-Note estava em 2,262%, após marcar 2,315% no final da tarde de ontem, sendo que no início do mês estava perto dos 2,40%. Também recuaram os juros dos Gilts britânicos, após dados de inflação fracos no Reino Unido. O dólar seguia em queda ante as demais divisas. O Dollar Index tinha 94,644 pontos (-0,51%), no menor patamar desde 23/8/2016. Ante o real, a moeda era cotada em R$ 3,1561 (-0,84%).

Os vencimentos curtos seguiram pressionados para baixo pela crescente aposta de queda da Selic em 1 ponto porcentual no encontro do Copom na próxima semana, amparadas nos sinais benignos da inflação e na trajetória descendente das expectativas futuras. Na quinta-feira, o IBGE informa o IPCA-15 de julho.

Fonte Oficial: http://jcrs.uol.com.br/_conteudo/2017/07/economia/574452-juros-fecham-em-queda-pela-3-sessao-consecutiva-alinhados-ao-exterior.html.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!