Jornal do Comércio >> Petróleo opera em alta, à espera de novos dados de estoque dos EUA

Os contratos futuros de petróleo operam com modestas altas na manhã desta terça-feira (18), à espera de novos números dos estoques da commodity nos Estados Unidos. Além disso, o dólar mais fraco colabora para o movimento positivo.

Às 7h46min (de Brasília), o petróleo WTI para setembro avançava 0,35%, a US$ 46,18 o barril, na New York Mercantile Exchange (Nymex), e o Brent para setembro subia 0,45%, a US$ 48,64 o barril, na ICE.

A produção total de xisto dos EUA deve avançar 113 mil barris por dia em agosto na comparação com o mês anterior, para chegar a 5,585 milhões de barris por dia, segundo o Departamento de Energia (DoE, na sigla em inglês). Caso se confirme, esse seria o oitavo avanço mensal consecutivo.

Investidores aguardam agora números de estoques na última semana dos EUA, divulgados às 17h30min pelo American Petroleum Institute (API), já depois do fechamento.

O aumento na produção americana de xisto ocorre no momento em que o mercado está preocupado com o excesso de estoques, que não mostram sinal de recuo apesar do acordo para cortar a produção liderado pela Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) e com a participação de outros gigantes do setor, como a Rússia.

Analista da corretora PVM, Stephen Brennock afirmou que há poucos sinais de que a disputa entre a Opep e os produtores de xisto chegue ao fim, o que deve deixar os contratos oscilando dentro de uma faixa, à espera do próximo catalisador do mercado.

Nesta quarta-feira (19), será divulgado o dado oficial de estoques semanais do DoE. Na avaliação da S&P Global Platts, os estoques de petróleo dos EUA devem recuar 3 milhões de barris por dia, enquanto os de gasolina e destilados devem recuar 500 mil e 700 mil na última semana, respectivamente.

Além das preocupações com o excesso de oferta, influi o fato de que o Equador decidiu não cumprir o limite de produção imposto pela Opep. Em dificuldades de caixa e endividado, o governo de Quito afirmou que não poderá continuar a cortar a oferta, em meio aos preços baixos do barril. Inicialmente, o país havia se comprometido a cortar sua produção em 26 mil barris por dia. Em maio, a produção equatoriana foi de 528 mil barris por dia, cerca de 1,6% da produção total do cartel.

A decisão do Equador abre a possibilidade de que outros participantes dos cortes também desistam, diante do aumento na produção dos EUA, da Líbia e da Nigéria. Há atenção sobre a reunião da Opep em São Petersburgo, na Rússia, nesta segunda-feira, quando deve ser discutido o cumprimento da iniciativa e a possibilidade de que Líbia e Nigéria se juntem a ela. Um limite na produção dos dois países pode melhorar o sentimento do mercado, mas analistas afirmam não esperar que isso na prática retire barris do mercado.

No câmbio, o dólar está mais fraco em geral nesta manhã, o que torna o petróleo mais barato para os detentores de outras moedas e aumenta o apetite dos investidores.

Fonte Oficial: http://jcrs.uol.com.br/_conteudo/2017/07/economia/574342-petroleo-opera-em-alta-a-espera-de-novos-dados-de-estoque-dos-eua.html.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!