Valor >> Após fechar leniência, grupo UTC pede recuperação judicial

SÃO PAULO E RIO  –  (Atualizada às 20h48) Após ter fechado um acordo de leniência com o Ministério da Transparência e Controladoria-Geral da União (CGU), na semana passada, o grupo UTC protocolou nesta segunda-feira um pedido de recuperação judicial na 2ª Vara de Falências e Recuperação Judicial de São Paulo.

As 14 empresas do grupo UTC têm dívidas de R$ 3,4 bilhões, segundo o Valor apurou.

O processo de recuperação judicial será tocado pela Starboard, empresa especializada na reestruturação de companhias, e pelo escritório de advocacia Leite, Tosto e Barros.

Dentre as companhias do grupo incluídas no pedido estão a UTC Participações, UTC Engenharia e UTC Investimentos. O braço de engenharia é responsável pela prestação de serviços às plataformas de produção de petróleo e gás.

Já a UTC Investimentos é o veículo que concentra as participações do grupo em projetos como o do aeroporto internacional de Viracopos e a PPP Move São Paulo, da Linha 6 do Metrô.

A empresa destaca no pedido os investimentos “relevantes” feitos nesses projetos quando a recessão econômica se instalou o Brasil.

Soma-se a isso o envolvimento da empresa na Operação Lava-Jato da Polícia Federal, que apura irregularidades em contratos com a Petrobras e que levou à prisão de Ricardo Pessoa, controlador da companhia. “Acrescente-se a todo o exposto, as atitudes arbitrárias do principal cliente do grupo, a Petrobras, que passou a realizar diversos bloqueios unilaterais”, disse o UTC no pedido feito à Justiça.

O grupo destaca que, em relação ao acordo de leniência firmado, já houve oferta de garantias referentes ao pagamento das primeiras parcelas e que a recuperação judicial não terá por objetivo reescalonar ou mesmo alterar de qualquer forma o cumprimento dessas obrigações.

Algoz

A Petrobras é apontada, pela UTC, como uma das principais responsáveis pelo grupo ter pedido de recuperação judicial. 

O grupo registra, na petição inicial apresentada, ter atualmente 500 funcionários e destaca que 4,1 mil foram recentemente demitidos “em razão de a Petrobras ter inviabilizado o funcionamento da sua filial de Macaé (RJ)”. “As requeridas, após o colapso da sua operação em Macaé, por culpa única e exclusiva da Petrobras, não tiveram outra saída senão o presente pedido de recuperação judicial”, diz a UTC na petição.

Segundo a empresa, a petroleira informou no fim de junho a retenção das faturas referentes aos serviços prestados pela unidade de engenharia do grupo em Macaé e que venceriam naquele mês. O valor da retenção é de R$ 20,88 milhões e a UTC diz que os recursos seriam utilizados para pagamento dos seus funcionários que trabalhavam para a Petrobras na cidade.

Além da falta de pagamento, o grupo atribui a inviabilidade de continuar os serviços prestados à decisão da petroleira de não aceitar firmar aditivos aos contratos e nem convidar o grupo a participar de um lote de construção de montagem já oferecido ao mercado.

A UTC diz ainda que, apenas na obra realizada pela empresa na Refinaria Alberto Pasqualini, alterações do projeto básico e do cronograma geraram um desequilíbrio econômico-financeiro superior a R$ 650 milhões.

Liminar

O Grupo UTC incluiu na petição inicial da recuperação judicial um pedido de liminar para que a Petrobras deposite, em juízo, os R$ 20,89 milhões retidos referentes a notas com vencimentos no mês de junho.

A empresa pede ainda que a petroleira se abstenha de proceder qualquer futura retenção para compensação administrativa de “eventuais créditos” que detenha contra a UTC, “sob pena de aplicação de multa por descumprimento de decisão judicial”.

No documento, a empresa afirmou que o valor retido foi relacionado a serviços prestados pela UTC Engenharia em Macaé (RJ) e que o montante seria utilizado para pagamento dos funcionários no município.

A Petrobras disse não ter sido notificada da recuperação judicial da UTC e, quando o for, “avaliará o conteúdo do pedido e tomará todas as medidas cabíveis na defesa dos seus interesses”. 

De acordo com a empresa, a petroleira informou no fim de junho a retenção das faturas referentes aos serviços prestados pela unidade de engenharia do grupo em Macaé e que venceriam naquele mês — justamente os R$ 20,89 milhões reivindicados.

A UTC diz que os recursos seriam utilizados para pagamento dos seus funcionários que trabalhavam para a Petrobras na cidade.

Fonte Oficial: http://www.valor.com.br/empresas/5041764/apos-fechar-leniencia-grupo-utc-pede-recuperacao-judicial.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!