Valor >> Ibovespa fica estável sem notícias políticas ou corporativas

SÃO PAULO  –  A ausência de notícias políticas e corporativas fez com que o Ibovespa atravessasse todo o pregão com pequenos movimentos de alta e de baixa. Em um dia de aumento da procura por ativos de risco, o Ibovespa não se beneficiou do movimento, patinou e fechou com leve alta de 0,19% aos 65.338 pontos. O giro financeiro ficou em R$ 4,4 bilhões, abaixo da média diária do ano, que é de R$ 6,1 bilhões. De acordo com operadores, depois de subir 5% na semana passada o índice voltou a oscilar ao redor dos 65 mil pontos e aguarda novas diretrizes para testar outros patamares.

As bolsas americanas, que funcionam como direcionadores dos demais mercados, tiveram comportamentos distintos e não contribuíram para colocar o Ibovespa no terreno positivo. O S&P 500 teve leve alta de 0,06%, o Dow Jones teve baixa de 0,25% e o Nasdaq teve leve alta de 0,47%. As bolsas dos Estados Unidos caíram com a notícia de que mais dois senadores republicanos se declararam contrários à aprovação do chamado “Trumpcare”, o que significa que o governo não tem mais a maioria necessária para passar o projeto pelo Senado americano.

Entre os fatores que podem mexer com o Ibovespa estão o início da divulgação dos balanços do segundo trimestre – a Weg divulga os resultados amanhã antes da abertura dos mercados –, a reunião do Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom) e do Fed, banco central americano, na quarta-feira da próxima semana. A divulgação dos resultados financeiros vai permitir verificar se há uma retomada do crescimento econômico.

As apostas do mercado financeiro são de que o Copom reduza os juros em um ponto percentual, para 9,25% ao ano, o que, em tese, favorece os investimentos em renda variável. “Uma redução além disso faria o Ibovespa se mexer para cima”, diz um operador. Em relação à reunião do Fed a expectativa é de que não haja mudança na taxa de juros, que está entre 1% e 1,25% ao ano. Mas os investidores aguardam a divulgação do comunicado após a reunião para tentar obter detalhes sobre novos aumentos nos juros e a redução do seu balanço patrimonial do Fed.

No cenário político, as férias parlamentares esfriam as discussões no rumo do governo. Os investidores aguardam para o dia 2 de agosto a análise pelo plenário da Câmara dos Deputados da denúncia da Procuradoria Geral da República (PGR) contra o presidente Michel Temer. O presidente é acusado de corrupção passiva e a denúncia já foi rejeita pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara.

Aqui, entre as ações mais negociadas os destaques de alta ficaram com os papéis da Suzano Papel e Celulose, que subiram 2,73%, as ações da Sabesp, com ganho de 2,55%, seguida pela Weg, com valorização de 2,19%.

As ações da Suzano subiram após o aumento de preço da celulose de fibra curta na Europa e na China. A tonelada para a Europa subiu US$ 1,62 para US$ 861,62 e na China subiu US$ 1,76 para US$ 631,68. Ontem, o Citi elevou o preço-alvo para a Sabesp de R$ 24 para R$ 42, com recomendação de compra. Hoje, as ações valiam R$ 14,32.

Os papéis da Vale fecharam em alta, com as ações PNA com ganho de 0,18% e as ações ordinárias em alta de 0,61%, depois de operarem em queda durante a manhã. O preço do minério de ferro subiu 3,04% em Qingdao, na China, para US$ 68,84 a tonelada.

As ações da Petrobras também inverteram o movimento de baixa em que operaram durante a manhã e fecharam em alta. Os papéis preferenciais subiram 0,39% e as ações ordinárias tiveram ganho de 1,12%. O preço dos contratos futuros de petróleo WTI com vencimento em agosto subiram 0,96% a US$ 46,46 o barril.

Fonte Oficial: http://www.valor.com.br/financas/5043794/ibovespa-fica-estavel-sem-noticias-politicas-ou-corporativas.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!