Valor >> Dólar zera alta pós-delação da JBS

SÃO PAULO  –  O dólar registrou queda pela décima sessão consecutiva e a cotação voltou a patamares vistos pela última vez antes do estouro da crise política, há dois meses.

Analistas, no entanto, não chegam a afirmar que o prêmio de risco do câmbio foi eliminado, uma vez que entendem que, sem a crise deflagrada pelos áudios da JBS, o dólar estaria agora em torno de R$ 3 ou abaixo. De qualquer forma, a devolução integral da alta acumulada desde o começo da turbulência chama atenção, especialmente considerando que o mercado continua a duvidar da aprovação da reforma da Previdência para este ano.

O movimento desta quinta-feira reforçou o peso do exterior no atual processo de enfraquecimento do dólar. A moeda americana opera nas mínimas em 11 meses frente a uma cesta de divisas emergentes. Mais cedo, o ICE U.S. Dollar Index – que mede o desempenho do dólar frente a um conjunto de seis moedas do G-10 – tocou o menor patamar em 13 meses.

A frustração da expectativa de medidas que gerem inflação nos EUA explica a maior parte da desvalorização do dólar das últimas semanas. O presidente Donald Trump vê seu poder enfraquecido no Congresso, o que dificulta a aprovação de medidas do lado fiscal e de infraestrutura, por exemplo. Em última análise, o afrouxamento fiscal poderia levar a mais inflação, conduzindo o Federal Reserve (Fed, BC americano) a novas altas de juros, movimento que daria fôlego ao dólar.

Também o tom “hawkish” do presidente do Banco Central Europeu (BCE), Mario Draghi, tem pressionado o dólar, uma vez que tira o Fed do posto de único grande banco central a caminho de reduzir estímulos monetários. O euro bateu hoje US$ 1,16582, máxima desde agosto de 2015.

Por fim, a trégua do lado político no Brasil, em meio a expectativa de fluxos ao país – ajudada pela perspectiva de farta liquidez global -, completa a lista de motivos para a queda do dólar.

No fechamento das operações interbancárias, o dólar caiu 0,71%, para R$ 3,1266. É o menor patamar desde 16 de maio (R$ 3,0954) – portanto, um dia antes do estouro da crise política.

Desde a máxima de R$ 3,3836 do dia 18 de maio – quando o dólar disparou 8% -, a moeda americana já acumula perda de 7,60%.

Em dez pregões consecutivos de baixa, o dólar já perdeu 5,28% de seu valor. É a mais longa série de baixas desde 2010 e está entre as três mais longas de toda a história do Plano Real.

O real sobe 6,01% ante o dólar no acumulado de julho, melhor desempenho entre 33 pares da moeda americana.

Queda global do dólar

Evolução da taxa de câmbio (R/US) e do índice DXY

Fonte: Valor PRO e ICE.

Observações: Taxa de câmbio: eixo da direita. DXY: eixo da esquerda

 .

Fonte Oficial: http://www.valor.com.br/financas/5047242/dolar-zera-alta-pos-delacao-da-jbs.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!