Jornal do Comércio >> Após duas semanas de quedas, dólar volta a subir

Após recuar em nove dos últimos 10 pregões – acumulando retração de 4,76% -, o dólar sofreu realização de lucros nesta tarde de sexta-feira (21), e fechou em alta, com o real acompanhando seus pares – peso mexicano e dólar australiano – em meio à desvalorização de mais de 2% do petróleo. Contribuiu também para o movimento altista a cautela antes da próxima semana, quando o Banco Central decide o novo patamar da Selic.

No mercado à vista, o dólar terminou em alta de 0,49%, aos R$ 3,1424. O giro financeiro somou US$ 1,24 bilhão. Na mínima, a moeda ficou em R$ 3,1116 (-0,49%) e, na máxima, a R$ 3,1429 (+0,50%).

Segundo o diretor da corretora Correparti Jefferson Rugik, depois que o dólar atingiu o patamar dos R$ 3,11 com o anúncio de que o ingresso de investidores estrangeiros no País (IDP) em junho ficou acima do esperado (US$ 3,991 bilhões, acima da mediana de US$ 2,650 bilhões), os investidores, principalmente as tesourarias de bancos, viram oportunidade de recomposição de posição comprada. O operador da corretora Multimoney Durval Corrêa observou ainda uma corrida de importadores que avaliaram que o dólar estava com bom preço.

No entanto, foi somente durante à tarde que o movimento comprador ficou mais claro. Para um gerente de mesa de derivativos, o dólar estava muito baixo e isso gerou um ajuste no valor em função da cautela, com o investidor de olho na próxima semana.

Corrêa, da Multimoney, destacou que com o aumento efetivo dos preços nas bombas de gasolina, após a elevação do PIS/Cofins sobre os combustíveis anunciado ontem, houve uma mudança no parâmetro da inflação, com a previsão para o IPCA no ano passando de 3,0% para 3,5%. Embora não seja um aumento expressivo, segundo o operador, o mercado já começou a olhar para uma inflação mais acelerada e o “efeito cascata” que isso pode causar. Por causa disso, “o mercado está atento quanto ao próximo corte na Selic (na próxima quarta-feira), se será mesmo de 1 ponto porcentual ou quem sabe 0,5 ponto, prevendo que tenham mudanças pela frente”, explicou Corrêa.

Além da realização e cautela, a trajetória de alta acompanhou também o exterior. O petróleo fechou em queda superior a 2%, pressionado pela expectativa de aumento da oferta da commodity pelos Estados-membros da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep). Diante disso, moedas ligadas à commodity, como o peso mexicano e dólar australiano, foram penalizadas, influenciando o comportamento do real.

No mercado futuro, o dólar para agosto subiu 0,66%, aos R$ 3,1480. O volume financeiro movimentado somou US$ 12,78 bilhões. Durante o pregão, a divisa oscilou de R$ 3,1170(-0,33%) a R$ 3,1505 (+0,74%).

Fonte Oficial: http://jcrs.uol.com.br/_conteudo/2017/07/economia/575238-apos-duas-semanas-de-quedas-dolar-volta-a-subir.html.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!