Jornal do Comércio >> Entidades empresariais gaúchas desaprovam aumento do preço dos combustíveis

O aumento anunciado pelo governo federal nesta quinta-feira (20) das alíquotas do Programa de Integração Social (PIS) e a da Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins) para a gasolina, o etanol e o diesel segue gerando críticas por parte das entidades que representam o setor empresarial gaúcho. 

Em nota, o presidente da Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (Fiergs), Gilberto Porcello Petry, disse desaprovar a decisão. “O aumento ocorre porque houve gastos adicionais não previstos com a liberação de emendas parlamentares. Com isso, desestruturou o orçamento que estava previsto já com um déficit grande”, diz Petry.

Para Petry, isso representa elevação dos custos da logística, retração no consumo, queda na renda real da população e atraso na recuperação da economia. “Toda a cadeia produtiva sofrerá algum impacto. Os combustíveis representam 40% do valor do frete rodoviário. Para os consumidores, a repercussão será sentida na menor renda disponível para o consumo. Por fim, passaremos a esperar taxa de inflação e juros mais elevados”, diz.

O presidente da Fecomércio-RS, Luiz Carlos Bohn, também criticou o aumento, afirmando que o “aumento de imposto é um grave erro e será pago por toda a sociedade”. Segundo Bohn, a entidade está “indignada”: “enquanto adiamos a reforma da previdência, cujo déficit anual chega a R$ 300 bilhões, o governo busca atalhos para conseguir cumprir uma meta fiscal que já é deficitária”.

A avaliação da Fecomércio-RS é de que os valores de PIS/Cofins sobre gasolina e diesel vão praticamente dobrar. Na gasolina, deve haver aumento de cerca de R$ 0,40 e no diesel mais de R$ 0,20. “Aumentar tributos em bens de consumo e insumos fundamentais, como é o caso dos combustíveis, em meio à situação econômica atual, é extremamente danoso para a sociedade brasileira”, critica Bohn. Ele explica que o aumento do diesel se espalha pelo preço de todos os bens e serviços que dependem de transporte e o aumento da gasolina afeta diretamente o bolso das pessoas.

De acordo com os ministérios do Planejamento e Fazenda, a expectativa com as mudanças nos impostos é arrecadar R$ 10,4 bilhões.

Fonte Oficial: http://jcrs.uol.com.br/_conteudo/2017/07/economia/575199-entidades-gauchas-desaprovam-aumento-no-preco-dos-combustiveis.html.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!