Jornal do Comércio >> Juros: taxas de curto prazo encerram com viés de baixa à espera do corte na Selic

Os juros futuros encerraram a sessão perto dos ajustes da última sexta-feira (21) com viés de baixa nos vencimentos mais curtos. Os vértices mais longos, que exibiam viés de alta na manhã desta segunda-feira (24) zeraram o ligeiro avanço à tarde e fecharam estáveis, na medida em que o dólar também perdeu força ante várias moedas – por sua vez, influenciado pelos ganhos mais firmes dos preços do petróleo.

No fim da sessão regular, a taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2018 estava em 8,520% (93.195 contratos), ante 8,535% no ajuste anterior. A taxa do DI para janeiro de 2019 (144.680 contratos) encerrou estável em 8,40%. O DI para janeiro de 2021 (97.275 contratos) terminou com taxa de 9,45%, de 9,44%.

A sessão foi de poucos negócios e oscilação restrita de taxas, em linha com a agenda fraca de indicadores, a ausência de destaques no noticiário e com o recesso no Congresso Nacional, o que tem deixado de produzir fatos novos na política desde a semana passada.

O mercado também reduz o ritmo na expectativa pela decisão do Comitê de Política Monetária (Copom) na quarta-feira, 26, que, segundo as apostas majoritárias, deve cortar a atual Selic de 10,25% em 1 ponto porcentual. A parte curta da curva é considerada com prêmios bem ajustados para esta aposta.

Entre as instituições que preveem redução desta magnitude, está o BTG Pactual, que revisou sua expectativa para taxa básica no final do ano. De acordo com relatório divulgado nesta segunda-feira, o banco reviu sua estimativa para a Selic de 8,5% para 8% no fim de 2017.

No exterior, os investidores também estão em compasso de espera, mas pela decisão do Federal Reserve, na quarta-feira. As expectativas giram em torno de sinais sobre o ritmo do processo de aperto monetário nos Estados Unidos e o grau de saúde da economia americana, diante da possível mudança de avaliação do banco central do país sobre a fraca inflação, classificada anteriormente como transitória.

Por volta das 16h30min desta segunda-feira, os rendimentos dos Treasuries mais longos mostravam leve avanço, para 2,252% na T-Note de dez anos, e o dólar passavam por uma realização generalizada de lucros ante outras moedas após o recuo visto na semana passada. O movimento, no entanto, era contido pelos ganhos de mais de 1% dos preços do petróleo. No Brasil, o dólar avançava 0,13% ante o real, aos R$ 3,1466, distanciando-se da máxima de R$ 3,1527 vista pela manhã.

Fonte Oficial: http://jcrs.uol.com.br/_conteudo/2017/07/economia/575470-juros-taxas-de-curto-prazo-encerram-com-vies-de-baixa-a-espera-do-corte-na-selic.html.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!