Jornal do Comércio >> Consumo de cerveja cai no Brasil e Ambev vende menos no segundo trimestre

A Ambev diminuiu em 1,3% as vendas em volume de cerveja no Brasil nos meses de abril a junho deste ano ante igual período do ano passado. A queda, segundo a companhia, foi menor que a da média da indústria de cerveja. A fabricante de bebidas citou dados da Nielsen apontando que, no mesmo período, a totalidade das cervejarias encolheu volumes em 2,7%.

O lucro líquido ajustado da Ambev no segundo trimestre foi de R$ 2,141 bilhões, 2,4% menor do que no mesmo período de 2016. Segundo o relatório da empresa, o resultado foi impactado pela desvalorização do real brasileiro e pela geração de caixa da operação (Ebitda). O impacto positivo foi a redução das despesas financeiras da fabricante de bebidas. Nos primeiros seis meses do ano, o indicador recuou 12,5%, passando de R$ 5,045 bilhões no primeiro semestre de 2016 para R$ 4,457 bilhões no mesmo período de 2017.

A receita líquida da Ambev aumentou 4,8% no segundo trimestre, impulsionada pelos resultados de todas as operações internacionais da empresa: América Latina Sul (LAS) (+36,2%), América Central e Caribe (CAC) (+6,9%) e Canadá (+1,4%). Já no Brasil, o resultado caiu 4,1%, impactado pela queda de 4,7% no volume total de vendas.

A Ambev considerou que o segmento de cerveja “mainstream” (que envolve as marcas mais populares) continuou a ser pressionado por “ambientes macroeconômicos e políticos adversos e voláteis”. Já o segmento de cervejas premium, segundo a empresa, cresceu entre 17% e 19% no trimestre. Entre abril e junho deste ano, a Ambev registrou um volume vendido de 17,430 milhões de hectolitros.

A piora no mercado de cerveja contribuiu com a queda total de 4,7% nos volumes da totalidade das bebidas vendidas pela Ambev no segundo trimestre de 2017 ante igual período do ano passado. Nos meses de abril a junho, a empresa vendeu ao todo 22,979 milhões de hectolitros.

Com isso, a receita líquida da Ambev no mercado brasileiro recuou 4,1% no trimestre na comparação anual, chegando a R$ 5,325 bilhões. O Custo do Produto Vendido (CPV) no Brasil subiu 3,8%, para R$ 2,141 bilhões.

Considerando apenas o negócio de cerveja, a receita no trimestre chegou a R$ 4,546 bilhões, um recuo de 3,3% na comparação anual. O CPV de cerveja aumentou 5,3% no mesmo período, para R$ 1,721 bilhão.

Já o volume de refrigerantes e outras bebidas não-alcoólicas caiu 14,1% no segundo trimestre, chegando a 5,548 milhões de hectolitros entre abril e junho deste ano. A Ambev afirmou que, neste mercado, seu desempenho foi pior que a média. A empresa informou que, de acordo com a Nielsen, a indústria de refrigerantes caiu 9,7%.

A companhia considerou que seus produtos perderam espaço para marcas de menor preço. “Os consumidores continuaram pressionados por uma baixa renda disponível, migrando o consumo para B brands, sucos em pó ou até mesmo água filtrada”, diz a empresa em comentário na divulgação de resultados do trimestre.

A receita da Ambev com refrigerantes e não-alcoólicos recuou 8,5% na comparação anual, chegando a R$ 778,6 milhões. O CPV caiu 2,2%, para R$ 420,6 milhões.

Resultado no exterior. As operações da Ambev em países da região chamada de América Latina Sul (LAS) apresentaram crescimento de 8,5% no volume de bebidas vendidas no segundo trimestre de 2017 ante o mesmo período do ano passado. De abril a junho deste ano, a companhia comercializou 6,729 milhões de hectolitros de bebidas nos países.

De acordo com comentário da Ambev sobre os resultados, o desempenho na região foi impulsionado por uma retomada na Argentina, país onde as vendas de cerveja cresceram mais de 20%, conforme a empresa. A companhia cita ainda avanços no Paraguai e no Uruguai.

Os resultados da Ambev deixaram de consolidar as operações de Colômbia, Peru e Equador, transferidas como resultado de um acordo com a controladora AB Inbev.

A receita líquida consolidada da unidade de negócios teve alta de 15% ante igual período de 2016, chegando a R$ 2,086 bilhões.

O Custo do Produto Vendido (CPV) na região aumentou 18,3%, para R$ 861,2 milhões, enquanto o CPV por hectolitro (CPV/hl) avançou 9%, para R$ 128. O Ebitda ajustado subiu 21,3%, para R$ 806,7 milhões, com margem de 38,7%.

Fonte Oficial: http://jcrs.uol.com.br/_conteudo/2017/07/economia/576155-consumo-de-cerveja-cai-no-brasil-e-ambev-vende-menos-no-segundo-trimestre.html.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!