Jornal do Comércio >> Crédito em junho para serviços sobe 1,0%; para indústria, cai 0,5%, afirma Banco Central

Os diferentes setores da economia brasileira apresentaram variação no estoque de crédito para empresas em junho, conforme dados do BC divulgados nesta quinta-feira (27).

A agropecuária teve alta de 0,5% no saldo de crédito em junho ante maio, para R$ 22,589 bilhões, a indústria apresentou baixa de 0,5%, para R$ 712,449 bilhões, e o setor de serviços indicou alta de 1,0%, aos R$ 716,481 bilhões.

No caso do crédito para pessoa jurídica com sede no exterior e créditos não classificados (outros), a alta foi de 1,8% em junho ante maio, para R$ 31,264 bilhões.

A concessão de novos créditos para a compra de carros voltou a cair no mês passado. Dados divulgados pelo BC mostram que bancos emprestaram R$ 7,010 bilhões para pessoas físicas nesse segmento em junho, o que representa uma queda de 3,7% em relação a maio. No acumulado do ano, porém, o crédito para veículos mostra reação e a concessão de crédito cresceu 19,6% e, em 12 meses, o avanço é de 7,9%.

Apesar da queda da concessão de novos créditos, o estoque de operações de crédito livre para compra de veículos registrou ligeiro avanço de 0,2% de maio para junho. Com isso, o total de recursos para aquisição de automóveis por esse grupo de clientes ficou em R$ 142,747 bilhões no mês passado.

No acumulado de 12 meses até o mês passado, prevalece a tendência negativa e o estoque das operações registra queda de é 4,2%. No acumulado do ano de 2017, o recuo é de 0,6%.

Endividamento das famílias

O endividamento das famílias brasileiras com o sistema financeiro passou de 41,6% em abril para 41,5% da renda acumulada em 12 meses em maio. Se forem descontadas as dívidas imobiliárias, o endividamento caiu ligeiramente, de 23,2% para 23,1%.

O cálculo do BC leva em conta o total das dívidas dividido pela renda no período de 12 meses. Além disso, incorpora os dados da Pesquisa Nacional de Amostragem Domiciliar (Pnad) contínua e da Pesquisa Mensal de Emprego (PME), ambas do IBGE.

Segundo o BC, o comprometimento de renda das famílias com o Sistema Financeiro Nacional (SFN) passou de 21,5% em abril para 21,3% em maio. Descontados os empréstimos imobiliários, o comprometimento da renda foi de 19,0% para 18,7%.

O Banco Central corrigiu o dado sobre o tamanho do mercado de crédito na comparação com o Produto Interno Bruto (PIB). Com a correção, o indicador que mede o saldo das operações caiu em relação ao dado originalmente divulgado. No mês de junho, o crédito correspondeu a 48,2% do PIB e não 48,5% do PIB como informado no documento entregue à imprensa. O relatório será atualizado na internet e a série histórica do indicador – de número 20622 – já está corrigida.

Também foram corrigidos os números relativos aos dois meses anteriores. Em maio, o saldo do crédito correspondeu a 48% do PIB (ante 48,6% publicados no documento). Já em abril, o total de empréstimos equivaleu a 48,2% do PIB (ante 48,8% divulgados originalmente). Os dados anteriores dessa série histórica não foram alterados.

“Usamos um PIB que é diferente do balanço de pagamentos, divulgado na semana passada. Atualizamos o dado do PIB, mas usamos um PIB não atualizado (na conta)”, explicou o chefe-adjunto do Departamento Econômico do BC, Fernando Rocha.

Fonte Oficial: http://jcrs.uol.com.br/_conteudo/2017/07/economia/576167-credito-em-junho-para-servicos-sobe-1-0–para-industria-cai-0-5–afirma-banco-central.html.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!