Jornal do Comércio >> Exterior e petróleo em alta guiam dólar para baixo, ao patamar de R$ 3,13

O dólar ampliou as perdas nesta tarde de sexta-feira (28), acompanhando o enfraquecimento da moeda no exterior depois que o presidente do Federal Reserve (Fed) de Minneapolis, Neel Kashkari (com direito a voto nas reuniões de política monetária), disse que é contra aumentar os juros nos EUA até que a inflação esteja mais perto de 2%. A divisa americana já vinha em queda desde cedo em meio a dados abaixo do esperado da economia dos EUA e recuperação do petróleo – que teve o maior ganho semanal do ano.

De acordo com um gerente de mesa de derivativos, o dólar começou a se enfraquecer ainda mais após a fala do dirigente da instituição. Ele destacou ainda que o risco Brasil medido pelo contrato de swap de default de crédito (CDS, na sigla em inglês) de cinco anos recuava em torno de 0,30%, aos 214,134 pontos, “o que é uma queda considerável para um fim de semana e volta do recesso parlamentar na próxima semana”.

O dólar já vinha em queda desde cedo depois da divulgação de dados americanos mais fracos. O PIB dos EUA avançou à taxa anualizada de 2,6% no segundo trimestre, após ajustes, um pouco abaixo da previsão de alta de 2,7%. Além disso, o índice de preços de gastos com consumo (PCE) subiu 0,3% no segundo trimestre, na taxa anualizada, e o núcleo do índice avançou 0,9%, este último ficando bem abaixo da meta do Fed de 2%.

De acordo com o operador da corretora H.Commcor Cleber Alessie Machado Neto, o dólar lá fora tem mostrado fraqueza em meio à perda de governabilidade do presidente americano, Donald Trump. Ontem, Trump perdeu mais uma vez na votação para aprovar seu projeto de saúde e revogar o atual Obamacare. “Esta forte derrota de Trump deverá forçar uma revisão nos cenários das projeções para os EUA, visto que a economia com o custeio de saúde deveria ser utilizada para compensar a redução fiscal prometida. Além disto, mostra que Trump não conseguirá cumprir as suas promessas de campanha”, disse o diretor da Wagner Investimentos, José Raimundo Faria Júnior, em relatório.

Outro motivo, segundo os especialistas de mercado, que contribuiu para queda do dólar foi a retomada do petróleo, com o WTI em torno de US$ 50. Em uma semana, tanto o Brent quanto o WTI acumularam alta em torno de 7%, o maior ganho semanal desde o início do ano.

No mercado à vista, o dólar terminou em baixa de 0,59%, aos R$ 3,1342. O giro financeiro somou US$ 1,82 bilhão. Na mínima, a moeda ficou em R$ 3,1328 (-0,63%) e, na máxima, aos R$ 3,1602 (+0,23%). Na semana, a moeda americana registrou queda de 0,26%.

No mercado futuro, o dólar para agosto caiu 0,68%, aos R$ 3,1335. O volume financeiro movimentado somou US$ 12,89 bilhões. Durante o pregão, a divisa oscilou de R$ 3,1330 (-0,69%) a R$ 3,1610 (+0,19%).

Fonte Oficial: http://jcrs.uol.com.br/_conteudo/2017/07/economia/576559-exterior-e-petroleo-em-alta-guiam-dolar-para-baixo-ao-patamar-de-r-3-13.html.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!