Jornal do Comércio >> Governo do Estado suspende pagamento de dívida com União

Thiago Copetti

Repetindo ação adotada em maio de 2015 e na esteira de liminar obtida em junho deste ano pelo Rio de Janeiro, o governo gaúcho anunciou nesta segunda-feira que não faria o repasse de cerca de R$ 150 milhões referentes a uma parcela da dívida que tem com a União. Para evitar as consequências diretas do não pagamento, entrou com uma medida cautelar para impedir o bloqueio de recurso federais (o que pode acontecer quando o Estado passa a ser considerado inadimplente, o que ocorre após 10 dias do vencimento do prazo). A justificativa do governo para não efetuar o pagamento é priorizar os salários dos servidores e a manutenção de serviços básicos.

Apesar de já ter tentado a mesma liminar em 2015, indeferida pelo Supremo Tribunal Federal (STF), a situação do Estado se agravou e houve decisão posterior favorável ao pleito do Rio de Janeiro, o que trouxe novos elementos a serem considerados, segundo o Procurador-Geral do Estado, Euzébio Ruschel. “Esse pedido de liminar (para evitar bloqueios) foi encaminhado à presidente do STF, a ministra Cármen Lúcia, e aguardamos a análise em regime de urgência”, explica Ruschel.

Além da ação que começa a tramitar na Justiça para impedir o bloqueio de recursos, o que tornaria a suspensão do pagamento uma medida praticamente inócua (já que perderia logo adiante o mesmo valor em repasses federais que não seriam feitos), o governo do Estado ruma em peso hoje para Brasília.

No Distrito Federal, o governador José Ivo Sartori irá ao Congresso, no final da tarde, para angariar apoio dos deputados federais gaúchos na pressão sobre o governo federal para que aceite as propostas de acordo. Sartori estará acompanhado dos secretários de Planejamento, Carlos Búrigo; e da Fazenda, Giovani Feltes; do líder do governo na Assembleia Legislativa, Gabriel Souza; e de Euzébio Ruschel.

“Como foi aceita a liminar do governo do Rio de Janeiro, acreditamos que o nosso pedido também será aceito. Mas os principais esforços em Brasília vão se concentrar mesmo é no Congresso. O acordo de recuperação fiscal tem de ser aprovado e assinado urgentemente”, alerta Carlos Búrigo.

Apesar de já estar em tratativas intensas e longas com o Tesouro Nacional para acertar os termos do acordo, técnicos do Tesouro gaúcho e do Ministério da Fazenda tiveram negociações com poucos avanços na semana passada. Entre as dificuldades no acordo está, especialmente, a questão dos ativos que serão dados em garantia à prorrogação da dívida e à carência de três anos para os pagamentos. A decisão adotada ontem, porém, é temporária e tem efeito de curta duração, explica Giovani Feltes.

“A decisão do governador Sartori foi direta e clara. Primeiro, determinou que não pagassem a parcela atual. Segundo, que pegássemos todo esse recurso e destinássemos à folha de pagamento. Mas, se não obtivermos a liminar que impede o bloqueio federal, esse mesmo valor será retido pelo Banco do Brasil, que gerencia os repasses federais, entre os dias 8 e 11 deste mês”, revela Feltes.

Com a retenção do valor que deveria ser repassado à União, de acordo com Feltes, o governo vai conseguir liberar, nesta semana, mais duas parcelas além do pagamento de até R$ 650,00 feito ontem. As duas novas parcelas devem somar R$ 450,00. A finalização da folha do funcionalismo, de cerca de R$ 1,2 bilhão, será feita até o dia 15, como previsto anteriormente.

O governo do Rio de Janeiro entregou a proposta de adesão ao regime de recuperação fiscal ao Ministério da Fazenda ontem. A expectativa da equipe do governador Luiz Fernando Pezão (PMDB) é que o governo federal conclua o processo de homologação antes do prazo de 30 dias.

“Entendemos que o plano está bem maduro, mas ainda falta avaliação final do ministério. A gente acredita que será um processo bem mais rápido”, afirmou o secretário da Fazenda do Rio, Gustavo Barbosa, que não quis antecipar uma data para a conclusão do processo.

Barbosa lembrou que o Rio de Janeiro tem até 60 dias, após a homologação, para tomar o empréstimo de R$ 3,5 bilhões para regularizar o pagamento de salários.

O secretário Christino Áureo (Casa Civil), que também participou da reunião no Ministério da Fazenda, reforçou que a prioridade é o pagamento dos servidores. “A regularização das folhas será o primeiro ato do ingresso desses recursos na conta do estado.”

Com a entrada no programa, o Rio de Janeiro poderá suspender o pagamento da dívida com a União por três anos prorrogáveis por outros três, o que significará alívio de R$ 23 bilhões, além de ter acesso a empréstimo de R$ 3,5 bilhões usando como garantia ações da Cedae, estatal de água e esgoto que será privatizada.

Em troca, o estado instituiu um teto de gastos, que limita o aumento das despesas públicas, elevou a contribuição previdenciária de servidores e se comprometeu a privatizar a estatal, entre outras contrapartidas.

Fonte Oficial: http://jcrs.uol.com.br/_conteudo/2017/07/economia/576937-governo-do-estado-suspende-pagamento-de-divida-com-uniao.html.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!