Valor >> Ibovespa sobe com balanços e Wall Street; dólar opera estável

SÃO PAULO  –  Uma série de boas notícias do lado corporativo e também macroeconômico movimentaram a bolsa nesta terça-feira. Mas foi a disparada das bolsas americanas que deu força adicional para o índice consolidar-se acima dos 66 mil, o que não acontecia desde a deflagração da crise política, em meados de maio.

Às 13h40, o Ibovespa acelerava os ganhos e subia 0,80%, para 66.446 pontos, perto da máxima do dia. No exterior, as bolsas americanas ganham tração no começo da tarde, movimento que reforça os ganhos do Ibovespa. Nesta tarde, o Dow Jones renovava a máxima intradia recorde, a 21.900 pontos.

Ao longo da manhã, o comportamento do índice foi bastante alinhado com os sinais da economia, que também confirmam uma trajetória de recuperação, mas muito lenta e gradual. É o que confirmam hoje os dados da produção industrial, que mostraram estabilidade em junho, enquanto analistas projetavam queda de 0,3%.

Ainda do lado macro, a ata do Copom foi também uma boa notícia porque reforçou a aposta num corte de juros mais rápido e profundo, o que provocou uma queda adicional dos juros futuros nesta manhã. Esse movimento beneficia diretamente o mercado de ações como um todo, mas mais diretamente papéis que têm relação mais direta com o desempenho do PIB ou que tendem a ter ganhos financeiros mais elevados com esse corte de juros. Mas vale observar que muito dessa queda já vinha sendo antecipada, limitando, assim, a resposta dos preços.

Isso fica claro quando se vê o desempenho de algumas empresas apontadas pelos analistas como as que têm grande influência dos juros. É o caso de Ecorodovias, que acumula um ganho de 30,96% no ano, mas cede 1,22% hoje. Também Rumo, que ganha 67,29% no ano e perde 0,68% hoje; Cemig (13% de alta no ano e perda de 0,57% hoje); e Bradesco ON (15,33% e -0,17%, respectivamente).

Essa percepção de recuperação da atividade também se refletiu em alguns dos balanços apresentados hoje. O mercado comemorou o forte crescimento do lucro da Magazine Luíza, de 600% para R$ 72,3 milhões. O papel subia às 13h16 2,76%.

Já o Itaú Unibanco, outro destaque de alta, registrou lucro recorrente de R$ 6,2 bilhões. Um ponto bastante favorável do resultado foi a queda de 0,2 ponto percentual da inadimplência, variável que vem sendo acompanhada atentamente pelos analistas por ser considerada condição fundamental para a evolução do crédito e do resultado das instituições financeiras. Há pouco, Itaú Uniibanco subia 3,31%.

Mas a estrela da manhã foi Suzano ON, que migrou para o novo mercado, num movimento considerado surpreendente pelos analistas. A operação prevê a conversão de todas as ações preferenciais para ordinárias na proporção 1 para 1. Em resposta, o papel da empresa lidera de longe os ganhos da bolsa, com valorização de 8,20% para R$ 15,17.

“É um movimento sustentável porque essa proporção de 1 para 1 é bastante favorável”, afirma o gestor de um fundo paulista.

Na esteira do movimento, Fibria ON é a segunda maior alta (2,81%). Segundo informou o Valor hoje, a companhia entregará proposta pela Eldorado ainda nesta semana.

Dólar

O dólar volta a operar próximo da estabilidade no início da tarde desta terça-feira. Mais cedo, a moeda testou o nível de R$ 3,10, ao estender a trajetória de baixa do último mês. O cenário externo favorece a movimentação no câmbio, de acordo com profissionais de mercado. A leitura é de que economias importantes, como a China e a Europa, dão sinais de crescimento mais sólido enquanto a expansão americana justifica um aperto monetário apenas gradual.

Por aqui, os agentes financeiros aguardam a votação na Câmara da denúncia por corrupção passiva contra o presidente Michel Temer em meio à baixa percepção de risco sobre uma possível ruptura do cenário.

“O conjunto recente de indicadores sugere que a China e a Europa apoiam um crescimento global melhor que o esperado, contribuindo para economias emergentes”, diz o estrategista-chefe do banco Mizuho do Brasil, Luciano Rostagno. “Enquanto isso, os sinais são de que a inflação nos EUA não deve acelerar, mantendo o gradualismo no aperto monetário americano. Assim, a expectativa é de que liquidez internacional siga ampla”, acrescenta o especialista.

Rostagno aponta, entretanto, que a moeda brasileira tem registrado uma sequência de baixas nas últimas semanas, “limitando o espaço para novos ganhos”. Dito isso, ele destaca que a semana reserva dados importantes da economia dos EUA, como o relatório de empregos (payroll) na sexta-feira, que deve movimentar os ativos globais.

Hoje, o dólar comercial caiu até a mínima de R$ 3,1076, valor mais baixo desde a sessão de 17 de maio quando tocou R$ 3,0960. Com isso, a moeda retomou o patamar anterior à divulgação das conversas entre o presidente Michel Temer e o empresário Joesley Batista.

Por volta das 13h40, o dólar comercial marcava R$ 3,1186, em alta de 0,01%, enquanto o peso mexicano e a lira turca registravam leves perdas.

Juros

O mercado de renda fixa se movimenta nesta terça-feira com nova rodada de ajustes nas apostas para a trajetória da Selic. A ata da última reunião do Copom reiterou a mensagem de que há espaço para cortes adicionais da taxa, aliviando o receio de que o documento amenizaria uma percepção mais favorável à queda da taxa. Com isso, foi aberto o caminho para a queda dos juros futuros, principalmente em trechos curtos e intermediários, que testam novas mínimas.

O DI janeiro/2018 caía a 8,230%, de 8,265% no ajuste anterior, e o DI janeiro/2019 recuava a 8,050%, de 8,100%. Nas mínimas, os ativos tocaram 8,185% e 8,020%, respectivamente. O DI janeiro/2021, por sua vez, marcava 9,280%, estável na mesma base de comparação, enquanto o dólar comercial marca R$ 3,1151, em queda de 0,10%.

Fonte Oficial: http://www.valor.com.br/financas/5063166/ibovespa-sobe-com-balancos-e-wall-street-dolar-opera-estavel.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!