Jornal do Comércio >> Criadores de Angus apostam em nova raça

Uma nova raça certificada no Brasil, mais resistente ao clima tropical e também a doenças, já começa a povoar os campos gaúchos. A Ultrablack, originária da Austrália, foi apresentada ontem pela Associação Brasileira de Angus. Fruto da cruza de animas Angus de alta genética com Brangus, uma raça sintética, é a aposta da entidade para ampliar a oferta de carne com qualidade Angus no mercado brasileiro.

“Hoje, não conseguimos atender a todo o mercado com Angus. Apesar dos inúmeros problemas econômicos enfrentados no País, com os atuais 14 milhões de desempregados, dos danos com a Operação Carne Fraca e das restrições norte-americanas, aumentamos em 1% o número de abates no Brasil”, comemora o presidente da associação, José Roberto Pires Weber.

Neste ano, de acordo com a associação, foram abatidos no Brasil 213 mil bovinos da raça Angus. O volume é considerado insuficiente para atender ao mercado interno, que consumiu 89% da produção (o restante foi exportado). É com foco no mercado interno, prioridade da associação, ressalta Weber, que a Ultrablack foi certificada no Brasil. Denominado pelos técnicos da entidade como uma “ferramenta” importante para produção de carne Angus no País, a nova raça certificada se caracteriza pela rusticidade necessária ao cruzamento industrial no Centro-Oeste.

Entre as principais qualidades da raça estão precocidade reprodutiva, alto ganho de peso, e resistência ao calor e a ectoparasitas, como o carrapato (uma praga atualmente em muitas propriedades). Tudo isso sem perder qualidade na carne Angus, como bom índice de marmoreio e sabor diferenciado, segundo a entidade. Proprietário do primeiro Ultrablack certificado no Estado (existem só três no Brasil), Gabriel Barros, da Cabanha La Coxilha, de Cacequi, é só elogios ao novo terneiro da fazenda. Com apenas 10 meses, este passou neste ano por uma dura prova de resistência, com louvor.

“Logo após a chuvarada de maio e junho, houve excesso de calor e aumento da presença de carrapato entre os animais, o que minou o desenvolvimento da maioria. De um grupo de 25 terneiros que estavam a campo, cerca de 80% dos animais perderam peso, outros 15% mantiveram, e apenas o Ultrablack ganhou”, comemora Barros.

O pecuarista diz ter ampliado as boas expectativas sobre a raça depois deste teste de resistência imprevisto. E elogia outra característica da raça: o pelo curto é um fator positivo, que logo também será posto à prova. “Aqui, na região de Santa Maria, a média dos picos mais altos de temperatura chega a ser maior do que em Campo Grande (MS). Por isso, a característica de pelos mais curtos do que o Angus, com o mesmo acabamento e qualidade de carne, será importante para nós”, explica Barros. Para quem já se interessou em testar a raça sintética, com cruza mínima de 80% Angus e 20% Brangus, o presidente da associação dos criadores antecipa que o primeiro remate de touros da raça deve ocorrer em 2020.

O criador interessado em formar um rebanho Ultrablack tem, agora, dois caminhos: produzir seus próprios animais ou esperar pelos primeiros leilões. O gerente de fomento da associação, Mateus Pivato, explica que, para obter um legítimo Ultrablack passível de registro, é preciso estar atento aos critérios definidos pela Associação Brasileira de Angus e usar reprodutores que tenham registro definitivo.

Fonte Oficial: http://jcrs.uol.com.br/_conteudo/2017/08/economia/577347-criadores-de-angus-apostam-em-nova-raca.html.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!