Jornal do Comércio >> Economia apresenta maior resiliência, diz Goldfajn

O presidente do Banco Central (BC), Ilan Goldfajn, afirmou, nesta quinta-feira, que, até o momento, “as condições econômicas se mantiveram, a despeito do impacto sobre os índices de confiança do aumento de incerteza quanto ao ritmo de implementação de reformas e ajustes na economia”. De acordo com Goldfajn, isso permitiu “a manutenção do ritmo de estabilização e recuperação gradual da economia, a manutenção do comportamento favorável da inflação e a continuidade do ritmo da flexibilização da política monetária”.

Goldfajn afirmou que a economia brasileira apresenta hoje maior resiliência, “devido à situação mais robusta de seu balanço de pagamentos e ao progresso no processo desinflacionário e na ancoragem das expectativas”. “A continuidade dos ajustes e reformas será importante para o equilíbrio da economia, com consequências favoráveis para a desinflação, para a queda da taxa de juros estrutural e para a recuperação sustentável da economia brasileira”, acrescentou Goldfajn, na parte final de seu discurso.

Goldfajn retomou a ideia contida nos últimos documentos da instituição: a de que o fator de risco principal é a incerteza sobre a velocidade do processo de reformas. Ele também repetiu a avaliação de que o cenário externo permanece favorável, embora haja riscos associados à normalização da política monetária em algumas economias centrais.

Ele lembrou que há riscos que podem reduzir a inflação. “A acentuada desinflação dos preços de alimentos e de preços industriais pode ter efeitos secundários (isto é, além do impacto direto) na inflação. Notadamente, essa desinflação pode contribuir para quedas adicionais das expectativas de inflação e da inflação em outros setores da economia”, afirmou.

 

O PIB (Produto Interno Bruto) do Brasil crescerá 0,4% neste ano, segundo projeção da Cepal (Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe). O organismo da ONU (Organização das Nações Unidas) também estimou crescimento médio do PIB de 1,1% em 2017 para toda a região.

O crescimento ocorrerá porque, após dois anos de contração, as economias da América Latina e Caribe foram beneficiadas por um contexto internacional com melhores perspectivas de expansão, apesar dos riscos geopolíticos. Outro fator favorável é a melhora nos preços das matérias-primas exportadas pela região.

Todos os países da área terão taxas positivas de crescimento este ano. As exceções são a Venezuela, cujo PIB deve cair 7,2%, e Suriname e Santa Lúcia, cujas economias devem registrar recuo de 0,2%.

A Cepal defendeu a necessidade de políticas macroeconômicas para permitir o crescimento de longo prazo e promover mudanças estruturais na economia da região. O organismo destacou que, ao buscar o equilíbrio nas trajetórias da dívida e nos gastos públicos, “não se deve restringir o investimento público”. Para facilitar esse processo, segundo a Cepal, uma alternativa é separar os gastos de investimento dos gastos correntes.

Para o organismo, também é importante elevar as receitas públicas, por meio de mudanças na estrutura tributária. Isso poderia ser feito, segundo a Cepal, com a criação de mais impostos diretos, em lugar de incidirem indiretamente sobre o consumo de bens e serviços, fortalecimento da administração e redução da evasão fiscal.

Fonte Oficial: https://worldcambio.com.br/wp-content/uploads/2017/08/jornal-do-comercio-economia-apresenta-maior-resiliencia-diz-goldfajn.br_conteudo/2017/08/economia/577722-economia-apresenta-maior-resiliencia-diz-goldfajn.html.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!