Jornal do Comércio >> Preço do frete deve seguir pressionado no 2º semestre, diz pesquisa da NTC/ANTT

O pessimismo com relação à economia diminuiu entre as empresas do setor de transporte rodoviário de cargas, mas a perspectiva geral é de que o preço do frete seguirá pressionado no segundo semestre, segundo pesquisa realizada pela Associação Nacional do Transporte de Cargas e Logística (NTC & Logística) em parceria com a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT).

Quando perguntadas sobre o seu desempenho financeiro, 23% das empresas consultadas afirmaram que a situação está melhor do que antes, 15% informaram estabilidade e 62% atestaram piora. Na pesquisa anterior, divulgada em janeiro, 6% disseram que a situação estava melhor, 12% apontaram estabilidade e 82% consideraram estar em uma situação financeira pior.

Segundo o presidente da NTC & Logística, José Hélio Fernandes, o levantamento trouxe bons resultados, mas que ainda ficaram aquém das expectativas. “Diante de uma base de comparação tão fraca, esperava uma reação mais expressiva. Mas considerando o agravamento da crise política, acredito que teremos uma melhora constante e progressiva nos próximos meses”, afirmou, ao lembrar que 2015 e 2016 foram os piores anos da história do setor.

No componente faturamento, o número de empresas que registrou queda recuou para 71% no primeiro semestre de 2017, ante 84% ao final do ano passado. “Todos tiveram de fazer sacrifícios para continuar operando, a pressão no valor do frete é apenas um dos reflexos dessa realidade”, observou Fernandes. Do universo de empresas que registraram queda no faturamento, para 70,5% o declínio foi, em média, de 18,5%.

As empresas que receberam pagamento pelo frete abaixo do custo avançaram de 72% para 79% entre o fim de 2016 e o primeiro semestre deste ano, enquanto as que não aumentaram ou deram desconto no frete passaram de 90% para 91%. E o número de companhias que preveem uma piora no valor do frete aumentou neste semestre, de 44% para 52%.

Entretanto, dois dos principais responsáveis pelo baixo patamar de preço do frete – os indicadores de tributos em atraso e veículos parados – têm registrado uma melhora progressiva, segundo a pesquisa. O número de empresas com veículos parados diminuiu nos últimos três semestres: 65,4% no primeiro semestre de 2016, 52,8% ao final do ano passado e 38,7% no primeiro semestre de 2017. Ao mesmo tempo, o número de empresas com tributos em atraso diminuiu mais lentamente, de 50,3% para 48,3% no final do ano passado, até 47,2% mais recentemente.

A queda no número de ações trabalhistas também chama a atenção. Segundo a pesquisa, esse item recuou de 82,4% para 63,6% no final de 2016 e caiu para 33% no primeiro semestre.

Segundo Lauro Valdívia, assessor técnico da NTC & Logística e responsável pela pesquisa, a melhora em relação a 2016 é visível. “Sentimos isso claramente em conversas com os empresários e tudo aponta para um segundo semestre positivo”, afirmou.

O prazo médio de recebimento do frete informado neste semestre ficou em 26,7 dias, de acordo com o levantamento. O desempenho indica leve variação em relação ao semestre anterior (25,9 dias), mas uma melhora expressiva se comparado a um ano antes, quando o prazo médio estava em 35,4 dias.

Reflexo das constantes oscilações no cenário econômico, o número de empresas com frete a receber em atraso aumentou no comparativo com o semestre anterior, de 44,2% para 54,7%. No primeiro semestre do ano passado, porém, esse índice estava em 86,3%. O valor médio do frete em atraso (em relação ao faturamento total) também diminuiu, de 14,9% para 14,3% em relação ao semestre anterior. O valor médio estava em 13,3% um ano antes.

A pesquisa foi respondida por 2.290 empresas (de um universo de 117.360), sendo 27,2% do Estado de São Paulo, 10,9% do Rio Grande do Sul, 10,1% de Minas Gerais, 10% do Paraná, 7,8% de Santa Catarina e o restante de outros Estados.

Fonte Oficial: http://jcrs.uol.com.br/_conteudo/2017/08/economia/577774-preco-do-frete-deve-seguir-pressionado-no-2-semestre-diz-pesquisa-da-ntc-antt.html.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!