Jornal do Comércio >> Bolsa tem ganhos firmes e anula efeitos da JBS

A alta das commodities metálicas no mercado externo e o sentimento mais otimista do investidor com o cenário político doméstico levaram o Ibovespa de volta ao patamar anterior à crise política deflagrada em 17 de maio, a partir da delação do grupo JBS. O índice terminou ontem em alta de 1,56%, aos 67.939 pontos. O volume de negócios permaneceu próximo da média das últimas semanas, somando R$ 7,892 bilhões.

Os principais destaques do pregão foram as ações de mineração e siderurgia, que pegaram carona na alta de 2,76% do minério de ferro no mercado à vista chinês. Vale ON e PNA subiram 3,81% e 4,35%, respectivamente. Já CSN ON, ação cujo preço vem sendo considerado “atrasado” em relação às demais, disparou 8,67% e foi a maior alta do Ibovespa.

Embora o petróleo tenha operado em baixa durante o dia, as ações da Petrobras avançaram 0,86% (ON) e 1,12% (PN), contagiadas pelo aumento do apetite do investidor pelo mercado brasileiro. O setor financeiro subiu com força, tendo B3 ( 2,09%) e Itaú Unibanco PN ( 1,58%) em destaque. Para esses papéis, contribuiu na alta a percepção mais favorável em relação à reforma da Previdência e outras medidas do ajuste fiscal.

O dólar renovou mínima ontem ante o real depois que o petróleo terminou com perdas bem menores do que as observadas ao longo da sessão e diante da informação de que o governo estuda lançar um pacote de medidas tributárias para garantir a arrecadação em 2018. A queda da divisa norte-americana, no entanto, foi limitada em meio ao fortalecimento da moeda ante divisas emergentes e ligadas a commodities.

De acordo com um gerente de mesa de derivativos, os investidores reagiram positivamente à informação de que a equipe econômica trabalha na elaboração de um pacote de medidas tributárias que deve atingir contribuintes de renda mais alta. Se adotadas em conjunto, as medidas têm potencial para reforçar o caixa do governo em, pelo menos, R$ 35,5 bilhões.

Além disso, o viés de baixa prevaleceu com a melhora do petróleo. Depois de cair mais de 1,7% durante o pregão, a commodity terminou em leve baixa, com os investidores atentos à reunião de monitoramento do acordo da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep).

A fraqueza do Dollar Index, que compara a moeda norte-americana contra uma cesta de seis moedas fortes, também contribuiu internamente, assim como o avanço de mais de 1% do Ibovespa. O risco Brasil medido pelo contrato de swap de default de crédito (CDS, na sigla em inglês) de cinco anos fechou o dia a 195 pontos-base, o menor nível no governo de Michel Temer.

No mercado à vista, o dólar teve baixa de 0,07%, aos R$ 3,1253. O giro somou US$ 555 milhões. No mercado futuro, o dólar para setembro caiu 0,19%, aos R$ 3,1410. O volume somou US$ 8,26 bilhões.

Fonte Oficial: http://jcrs.uol.com.br/_conteudo/2017/08/economia/578235-bolsa-tem-ganhos-firmes-e-anula-efeitos-da-jbs.html.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!