Jornal do Comércio >> Juros fecham perto da estabilidade, com viés de alta nos vencimentos longos

Os juros futuros encerraram a sessão perto da estabilidade, com viés de alta na ponta longa, em mais um dia de volume moderado de contratos negociados. A movimentação das taxas mais uma vez foi contida ao longo desta terça-feira, 8, em função da falta de novidades no noticiário, segundo profissionais da área de renda fixa. Os vencimentos curtos passaram o dia de lado e os longos, levemente pressionados para cima, em meio à espera de definições do cenário fiscal e político, enquanto exterior teve pouca influência sobre a curva.

O contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) vencimento em janeiro de 2018 (85.850 contratos) fechou com taxa de 8,175%, de 8,190% no ajuste de segunda-feira, e a do DI para janeiro de 2019 (219.465 contratos) ficou em 8,02%, de 8,03% na véspera no ajuste. A taxa do DI para janeiro de 2021 (157.875 contratos) terminou com taxa de 9,25%, de 9,22%.

O presidente Michel Temer e o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, confirmaram que o governo estuda aumento do Imposto de Renda (IR) para as pessoas físicas, especialmente para a faixa de maior renda, no Orçamento de 2018, conforme antecipou na segunda-feira o Broadcast (serviço de notícias em tempo real do Grupo Estado). “Temos até o final do mês, dia 31, para finalizar as contas e chegar a uma conclusão. Existem diversas hipóteses em estudo e essa (a alta do IR) é uma delas”, disse Meirelles.

Já o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse nesta terça que, se tiver de passar pela Câmara, “não passa aumento de imposto”. Mais cedo, ele afirmou que “a sociedade não aguenta mais pagar imposto e a ineficiência do Estado”.

Essa possibilidade (aumento do IR), por ora, não chega a ter impacto direto na curva a termo, segundo o diretor de gestão de renda fixa e multimercados da Quantitas Asset, Rogério Braga. “O clima continua bom, com a sensação de que o governo conseguiu se estabilizar. O mercado está de olho na Previdência, que voltou com força à pauta”, disse.

Maia e o presidente Temer também defenderam a reforma da Previdência. “Se não fizermos essa reforma, será dificílimo enfrentar os próximos anos”, disse Temer, enquanto Maia afirmou que a Previdência é o “coração de todas as reformas”.

Fonte Oficial: http://jcrs.uol.com.br/_conteudo/2017/08/economia/578427-juros-fecham-perto-da-estabilidade-com-vies-de-alta-nos-vencimentos-longos.html.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!