Jornal do Comércio >> Programa de produtividade da Eletropaulo dá resultados acima do esperado

O programa de produtividade lançado pela AES Eletropaulo no início do ano começa a dar seus primeiros frutos, como pode ser observado nos números do segundo trimestre, divulgados na noite de segunda-feira, 7. A companhia reportou um Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciações e amortizações) de R$ 262,2 milhões, um aumento de 37,5% comparado ao mesmo período do ano anterior. Conforme destacou a distribuidora, os custos operacionais foram reduzidos em R$ 77 milhões, acima da projeção de R$ 70 milhões para o trimestre.

No total, os custos e despesas operacionais da empresa, excluindo depreciação e custo de construção, totalizaram R$ 2,489 bilhões entre abril e maio, o que corresponde a um aumento de 2,5% em relação a mesma etapa do ano passado. Mas enquanto os custos da Parcela A – formada por compra de energia e encargos de uso da rede – subiram 5,9%, para R$ 1,905 bilhão, os custos gerenciáveis de Pessoal, Materiais, Serviços de Terceiros e Outros (PMSO) recuaram 7,4%, para R$ 583,9 milhões.

Vale salientar, ainda, a redução de 50,4% na Provisão para Créditos de Liquidação Duvidosa (PCLD), para R$ 45,7 milhões, e na diminuição nas linhas de multas e contingências, da ordem de 27,3% e 73,8%, respectivamente. Essas frentes de atuação também fazem parte do programa que vem sendo desenvolvido pela companhia para melhorar sua eficiência.

Por meio de seu programa de combate às perdas, a companhia conseguiu acrescentar ao mercado faturado 206 GWh de energia, ante os 159,8 GWh adicionados no segundo trimestre do ano passado, o que contribuiu com aproximadamente R$ 79 milhões no resultado da companhia. Apesar disso, a campanha não colaborou na melhoria do indicador de perdas – taxa obtida por meio da divisão da diferença entre a energia medida na fronteira da distribuidora e a energia faturada dos clientes.

As perdas totais apuradas nos últimos 12 meses foram de 9,64%, queda de 0,1 ponto porcentual em relação ao reportado um ano antes, sendo que as perdas técnicas recuaram de 5,5% para 5,21%, enquanto as não técnicas (fraudes) subiram de 4,2% para e 4,43%.

A Eletropaulo explica que essas perdas decorrem do aumento tarifário de 2015 e do cenário econômico que o País enfrenta.

Já na linha de redução das multas, a companhia vem buscando melhorar seus indicadores de qualidade de forma a atingir os níveis regulatórios e evitar penalidades. O DEC (Duração Equivalente de Interrupção por Unidade Consumidora) acumulado dos últimos 12 meses apresentou uma queda de 33% segundo trimestre em relação ao anotado um ano antes, para 14,12 horas, já o FEC (Frequência Equivalente de Interrupção por Unidade Consumidora) recuou 5% na mesma comparação.

Do ponto de vista financeiro, porém, AES Eletropaulo piorou suas métricas em relação ao primeiro trimestre, embora tenha melhorado o desempenho na comparação com o segundo trimestre do ano passado. Seu endividamento líquido estava em R$ 3,65 bilhões, acima dos R$ 3,34 bilhões do primeiro trimestre e abaixo dos R$ 3,7 bilhões anotados um ano antes.

A alavancagem ficou em 2,91 vezes dívida líquida/Ebitda ajustado, acima dos 2,87 vezes de março e abaixo dos 3,02x de junho de 2016. O limite previsto nos covenants da companhia é de 3,5 vezes.

Fonte Oficial: http://jcrs.uol.com.br/_conteudo/2017/08/economia/578326-programa-de-produtividade-da-eletropaulo-da-resultados-acima-do-esperado.html.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!