Valor >> Bolsa avança e dólar sai abaixo de R$ 3,13, com debate fiscal no foco

SÃO PAULO  –  Depois de uma abertura hesitante, o Ibovespa definiu uma trajetória de alta e consolidou-se acima do nível de 68 mil pontos, o que não acontecia desde 17 de maio. Desta vez, são as ações de banco os destaques do dia.

Perto das 14 horas, o Ibovespa ganhava 0,61%, somando 68.353 pontos. Bradesco PN subia 2,04% e Bradesco ON ganhava 2,24%. Itaú Unibanco aumentava 1,55% e Banco do Brasil tinha elevação de 1,66%. Vale PNA, contudo perdia 0,23%.

Logo na abertura, a bolsa chegou a ensaiar uma realização de lucros, devolvendo parte dos fortes ganhos de ontem, quando a alta do minério de ferro fez papéis da Vale e siderúrgicas dispararem. Mas, embora algumas dessas ações tenham mantido o ajuste hoje, ações mais ligadas a consumo e ao setor financeiro passaram a subir fortemente, deixando para trás o sinal negativo.

Esse comportamento da bolsa, segundo analistas, é reflexo do ambiente global ainda favorável ao risco, que resulta em fluxo firme para ativos emergentes, no Brasil e no exterior. E também da leitura que, ainda que, de forma gradual, há uma recuperação da economia. Muitos balanços divulgados na safra relativa ao segundo trimestre têm confirmado isso. Um excelente termômetro é a queda da inadimplência, o que aponta para uma melhora do canal do crédito e, consequentemente, para um crescimento mais consistente em 2018.

Câmbio

O dólar opera em ligeira alta ante o real nesta terça-feira. Ao longo da manhã, a divisa americana ganhou força nos principais mercados internacionais, dando sustentação ao movimento no Brasil. No entanto, o efeito foi mais limitado entre os emergentes, o que acabou gerando alguma diferença entre o real e seus pares. O debate sobre a situação fiscal do país permeia os negócios nos mercados financeiros, mas não provoca grande variação nos preços dos ativos.

Por volta das 14 horas, o dólar comercial tinha aumento de 0,03%, cotado a R$ 3,1261. Já o contrato futuro para setembro cedia 0,03%, a R$ 3,14. 

Mesmo após o aumento de impostos sobre combustíveis, há relatos de que o governo segue buscando alternativas para melhorar a arrecadação principalmente diante das dificuldades encontradas nas fontes extraordinárias de receita. O risco de uma revisão da meta fiscal de 2017, atualmente de déficit primário de R$ 139 bilhões, também é monitorado pelos agentes financeiros, embora já esteja contabilizado em alguns dos cenários.

Juros

O debate sobre a situação fiscal no país contribui para o viés de alta nos juros futuros, principalmente de prazos mais longos. A leitura de parte dos especialistas é de que, enquanto se aguardam novidades concretas nesse fronte, há recomposição de níveis após forte movimento de despressurização nas taxas. Por outro lado, as dificuldades do governo para aumentar a arrecadação e os riscos de alteração da meta fiscal não parecem ser motivo de alarmismo entre os investidores, pelo menos por ora.

Por volta das 14 horas, o DI janeiro/2021 marcava 9,240% (9,220% no ajuste anterior).

Entre vencimentos um pouco mais curtos, o DI janeiro/2018 marcava 8,185% (8,190% no ajuste anterior) e o DI janeiro/2019 estava em 8,030%, estável.

Os agentes financeiros avaliam ainda o resultado do IGP-DI de julho, que caiu 0,30%. O recuo foi menor que o esperado por algumas grandes instituições, de baixa de cerca de 0,40%. Agora, agentes financeiros aguardam os números do IPCA, na quarta-feira, que têm peso maior nas apostas para política monetária.

Fonte Oficial: http://www.valor.com.br/financas/5072234/bolsa-avanca-e-dolar-sai-abaixo-de-r-313-com-debate-fiscal-no-foco.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!