Jornal do Comércio >> Ibovespa cai 1% com tensão geopolítica e desconforto com cenário fiscal

A tensão geopolítica que aflige os mercados internacionais nesta semana foi determinante para a terceira queda consecutiva do Índice Bovespa, que nesta quinta-feira (10), caiu 1,00% e fechou a 66.992,08. A troca de ameaças entre Estados Unidos e Coreia do Norte alimentou a aversão ao risco e favoreceu uma realização de lucros mais forte nas bolsas norte-americanas, com inevitáveis reflexos nos mercados emergentes. O volume de negócios com ações na B3 ficou em R$ 7,45 bilhões, próximo da média de agosto (R$ 7,6 bilhões), descartando a ocorrência de movimentos mais fortes de desmontagem de posições.

Dando continuidade às ameaças que se intensificaram na tarde da última terça-feira, hoje o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou que talvez o alerta de “fogo e fúria” contra a Coreia do Norte “não tenha sido forte o suficiente”. Embora os analistas internacionais considerem pequena a chance de um conflito entre os dois países, o fato é que investidores preferiram elevar suas posições em ativos defensivos, como dólar, reduzindo a exposição ao risco representado pela renda variável.

Embora tenha figurado em segundo plano, o cenário fiscal doméstico também foi apontado por profissionais do mercado como fator de desconforto entre os investidores. A expectativa pelo anúncio de uma revisão das metas fiscais para 2017 e 2018 foi adiada para a próxima semana. Segundo analistas, o aumento do rombo fiscal em 2017 (de R$ 139 bilhões para estimados R$ 159 bilhões) já estava relativamente precificado. Mas a revisão da meta de 2018 (R$ 129 bilhões) teria sido o motivo da insatisfação dos investidores, que temem a possibilidade de um novo rebaixamento, diante das dificuldades do governo de fazer avançar um ajuste fiscal.

A queda do dia foi puxada principalmente pelas ações da Petrobras, que acompanharam as fortes perdas dos preços do petróleo nos mercados futuros de Londres e Nova Iorque. Petrobras ON e PN recuaram 2,51% e 2,44%, respectivamente.

As ações do setor financeiro também recuaram, refletindo tanto o movimento de aversão ao risco como o desconforto com o fiscal. Itaú Unibanco PN, ação de maior peso no Ibovespa, encerrou o pregão em queda de 1,26%. Bradesco PN recuou 0,95%. A exceção foi Banco do Brasil ON, que alternou altas e baixas, mas chegou ao final do pregão em alta de 0,49%. Mais cedo, a instituição divulgou resultado financeiro do segundo trimestre, no qual apontou lucro líquido ajustado de R$ 2,649 bilhões, número 47,1% maior que o do mesmo período do ano passado. O dado ficou em linha com o esperado pelo mercado, mas foi bem recebido entre analistas.

Fonte Oficial: http://jcrs.uol.com.br/_conteudo/2017/08/economia/579026-ibovespa-cai-1-com-tensao-geopolitica-e-desconforto-com-cenario-fiscal.html.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!