Jornal do Comércio >> Bolsas da Europa fecham em alta com menor tensão geopolítica e dados

Os mercados acionários europeus fecharam em alta nesta quarta-feira (16) ainda refletindo uma percepção de menor cautela com a geopolítica e atentos a dados positivos divulgados pela manhã. A ata da última reunião de política monetária do Federal Reserve (Fed, o banco central americano) também esteve no radar dos investidores, embora o documento fosse divulgado apenas depois do fechamento no continente.

O índice pan-europeu Stoxx 600 fechou em alta de 0,70% (+2,65 pontos), aos 379,15 pontos.

Na manhã desta quarta-feira, a Eurostat, agência de estatísticas da União Europeia, anunciou que a economia da zona do euro cresceu mais do que o inicialmente estimado na comparação anual do segundo trimestre. No período, o Produto Interno Bruto (PIB) da zona do euro expandiu 2,2% ante o mesmo período do ano passado, e não 2,1% como calculado no início do mês. O avanço anualizado do PIB também sofreu revisão para cima no período, de 2,3% para 2,5%. A estimativa dos analistas era de que a agência manteria os cálculos originais.

Na Itália, o PIB também apresentou um desempenho mais robusto do que o previsto. De abril a junho, a atividade italiana subiu 0,4% ante os três meses anteriores, além de registrar ganho de 1,5% na comparação anual. As estimativas de analistas eram de 0,3% e 1,4%, respectivamente.

No Reino Unido, a taxa de desemprego caiu para 4,4% no trimestre até junho, de 4,5% no período de três meses encerrado em maio. Esse é o menor nível de desemprego do país desde 1975, o que surpreendeu economistas, que previam estabilidade. Ainda em solo britânico, chama atenção a nova etapa de negociações com a União Europeia sobre o Brexit, o processo de saída do país do bloco único. Nesta quarta-feira, o Reino Unido reforçou que não deseja uma fronteira física entre a República da Irlanda e a Irlanda do Norte após o divórcio. Os dois países dividem a mesma ilha, mas o primeiro é integrante do bloco europeu, enquanto o segundo faz parte do Reino Unido.

Em Londres, o índice FTSE-100 fechou em alta de 0,67%, aos 7.433,03 pontos. As mineradoras se destacaram: Anglo American e Antofagasta avançaram 3,62% e 2,99%, respectivamente. Entre os bancos, Lloyds caiu 0,37% e Barclays subiu 0,15%, enquanto a petroleira BP avançou 0,30%.

Na bolsa de Frankfurt, o índice DAX teve ganho de 0,71%, a 12.263,86 pontos. Entre os papéis mais negociados, E.ON subiu 0,65%, no setor de energia, e Commerzbank avançou 0,22%, enquanto RWE avançou 2,88%, mas Deutsche Telekom caiu 0,51%.

O índice CAC-40, da bolsa de Paris, avançou 0,71%, a 5.176,61 pontos. Crédit Agricole subiu 0,59% e AXA teve ganho de 0,64%, enquanto Air France-KLM subiu 0,39%.

Na bolsa de Milão, o índice FTSE-MIB fechou em alta de 1,21%, em 21.984,85 pontos. Os bancos da Itália subiram: Intesa Sanpaolo, Banco BPM e UniCredit avançaram 2,16%, 0,55% e 1,52%, respectivamente.

Em Madri, o índice IBEX-35 fechou em alta de 0,60%, em 10.544,30 pontos. Entre as ações em foco, Santander avançou 0,59% e BBVA, 0,33%, mas Telefónica caiu 0,03%.

Na bolsa de Lisboa, o índice PSI-20 subiu 0,31%, a 5.259,68 pontos. Banco Comercial Português caiu 0,46%, mas Altri e Jerónimo Martins avançaram 0,48% e 1,44%, respectivamente. 

Fonte Oficial: http://jcrs.uol.com.br/_conteudo/2017/08/economia/579984-bolsas-da-europa-fecham-em-alta-com-menor-tensao-geopolitica-e-dados.html.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!