Jornal do Comércio >> Braskem registra lucro líquido de R$ 1,142 bilhão no 2º trimestre

A Braskem registrou lucro líquido de R$ 1,142 bilhão no segundo trimestre de 2017, resultado quatro vezes maior que os R$ 275 milhões apurados no mesmo período de 2016, conforme divulgação realizada na noite da terça-feira, 15. Em relação ao primeiro trimestre, o lucro apresentou queda de 40% (R$ 1,914 bilhão). No primeiro semestre, a petroquímica teve lucro de R$ 3,057 bilhões, avanço de 186% em relação ao ano passado.

O Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização da Braskem no segundo trimestre ficou em R$ 3,029 bilhões, 1% maior que no mesmo período de 2016, e 16% menor que o registrado no primeiro trimestre. A margem Ebitda entre abril e junho ficou em 25,5%, praticamente estável em relação aos 25,7% de um ano antes.

A receita líquida da Braskem ficou em R$ 11,87 bilhões no segundo trimestre, e em R$ 24,47 bilhões no semestre. A companhia informa que a receita em dólares ficou em US$ 3,7 bilhões entre abril e junho, com crescimento de 11% na comparação anual.

O resultado financeiro líquido da Braskem no segundo trimestre foi negativo em R$ 650 milhões, uma melhora de 49% ante o resultado negativo em R$ 1,262 bilhão registrado um ano antes. No semestre, o resultado foi negativo em R$ 1,294 bilhão, ante R$ 2,666 bilhões negativos em 2016, melhora de 51%.

A dívida líquida da Braskem fechou o mês de junho em R$ 5,172 bilhões, queda de 1% na comparação com março e de 7% na comparação com junho de 2016. O nível de alavancagem da companhia, medido pela relação dívida líquida/Ebitda, fechou junho em 1,63 vez, contra 1,57 vez em março e 1,79 vez de um ano antes.

Os resultados do segundo trimestre passaram por revisão de auditores independentes, e, ao mesmo tempo em que divulgou os números, a Braskem anunciou a publicação das demonstrações auditadas de 2016 e do primeiro trimestre de 2017.

A companhia teve problemas para divulgar estes balanços por conta do acordo de leniência no âmbito da Operação Lava Jato.

Em Fato Relevante, a Braskem informa que vai convocar Assembleia Geral de acionistas para discutir as contas de 2016 e deliberar sobre a destinação dos resultados.

O spread de petroquímicos básicos, calculado pela diferença entre o preço da resina com o preço da nafta, foi de US$ 457 por tonelada no segundo trimestre de 2017, uma queda de 5% na comparação com o trimestre exatamente anterior e alta de 49% ante o segundo trimestre de 2016. Os petroquímicos básicos abrangem 15% de eteno, 10% propeno, 35% BTX, 10% butadieno, 5% cumeno e 25% combustíveis.

No Brasil, o spread resinas ficou em US$ 674/t, 2% acima dos três primeiros meses do ano e estável ante o ano passado. Nos Estados Unidos, o spread foi de US$ 573/t, mesmo valor do primeiro trimestre de 2017 e queda de 23% na comparação anual. Na Europa subiu 11% na comparação trimestral e caiu 2% na anual, para US$ 504/t, enquanto no México o spread foi de US$ 965/t, quedas de 5% e 2%, respectivamente.

Segundo o informe de resultados da Braskem, a alta do spread no Brasil do primeiro para o segundo trimestre de 2017 ocorreu pela queda de 11% no preço da nafta no mercado internacional. Já na Europa, a alta de 11% do spread dada a maior demanda de PP nos setores de construção, higiene e saúde, combinado com um menor volume de PP importado do Oriente Médio.

A Braskem finalizou o segundo trimestre de 2017 com uma alavancagem – medida pela relação dívida líquida e Ebitda – em dólar de 1,63 vez, ante 1,57x no primeiro trimestre de 2017 e de 1,79x no segundo trimestre do ano passado.

A dívida líquida somava US$ 5,172 bilhões em junho deste ano, um recuo de 7% na comparação com junho de 2016, de US$ 5,553 bilhões. Ao considerar o acordo de leniência firmado com as autoridades no Brasil e exterior, no valor de US$ 957 milhões, a dívida líquida ajustada da Braskem passa para US$ 5,871 bilhões, o que representa um avanço de 5,7% ante os mesmos US$ 5,553 bilhões. A Braskem, contudo, descontou a atualização contábil de US$ 66 milhões e o pagamento já realizado de US$ 191 milhões.

Assim, a alavancagem ajustada da empresa vai para 1,85 vez.

Em junho de 2017, o prazo médio do endividamento era de 14 anos e se considerada apenas a parcela da dívida em dólares, o prazo médio ficou em 17 anos.

No segundo trimestre de 2017, os investimentos da Braskem no Brasil, Europa e Estados Unidos somaram R$ 439 milhões. No acumulado dos seis primeiros meses do ano, os aportes somaram R$ 694 milhões. Na primeira metade de 2017, as unidades realizaram 39% do investimento total previsto para o ano, de R$ 1,761 bilhão.

Do total, R$ 585 milhões correspondem a investimentos no Brasil, sendo R$ 526 milhões no lado operacional e R$ 59 milhões no estratégico, que refere-se, principalmente, ao projeto para diversificação de matéria-prima no cracker da Bahia, que já atingiu 63% de progresso físico até junho, com conclusão prevista para o quarto trimestre de 2017.

Já a Braskem Idesa, do México, realizou R$ 5 milhões em investimentos no segundo trimestre de 2017 e R$ 7 milhões de janeiro a junho, todos do lado operacional. O valor corresponde a apenas 13% do previsto para todo o ano de 2017, de R$ 53 milhões.

O custo dos produtos vendidos (CPV) consolidado da Braskem foi de R$ 8,979 bilhões (US$ 2,794 bilhões) no segundo trimestre de 2017.

Ao desconsiderar o CPV das revendas, de R$ 11 milhões, o CPV da Braskem foi de R$ 8,968 bilhões, 11% superior ao segundo trimestre de 2016, explicado, segundo o informe de resultados da empresa, pelo ramp-up de produção do complexo petroquímico da Braskem Idesa, maior volume de venda de PP nos Estados Unidos e Europa, e aumento de preço das principais matérias-primas (nafta, etano, propano e propeno). O aumento de preços dos insumos, no entanto, foi compensado parcialmente pela apreciação de 8,4% do real ante o dólar.

De abril a junho de 2017, a participação da nafta no total do CPV foi de 43,4%, uma queda de 0,7% ante o mesmo período do ano passado, explicada pela apreciação do real, início da produção do México, normalização do consumo de propeno da Petrobras, e menor consumo de nafta com a parada do cracker no ABC no período.

As despesas gerais e administrativas totais da Braskem no segundo trimestre de 2017 foram de R$ 709 milhões, 4% superior na comparação anual.

Fonte Oficial: http://jcrs.uol.com.br/_conteudo/2017/08/economia/579941-braskem-registra-lucro-liquido-de-r-1-142-bilhao-no-2-trimestre.html.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!