Jornal do Comércio >> Em sua 4ª alta seguida, Ibovespa sobe 0,35% e aproxima-se dos 69 mil pontos

O Índice Bovespa teve nesta quarta-feira (16), sua quarta alta consecutiva e aproximou-se mais um pouco do patamar dos 69 mil pontos – melhor marca do ano. Segundo profissionais do mercado, a valorização foi garantida pela manutenção do cenário externo favorável e pela percepção de que não houve surpresas no anúncio da revisão das metas fiscais de 2017 e 2018. O vencimento das opções e futuro do Ibovespa e a divulgação da ata do Federal Reserve foram dois outros fatores apontados como apoiadores do movimento de alta.

O Ibovespa terminou o dia com avanço de 0,35%, aos 68.594,29 pontos, depois de ter oscilado entre a mínima de 68.304,33 pontos (-0,07%) e a máxima de 68.950,33 pontos (+0,87%). As altas foram puxadas pelas blue chips do mercado de ações, embora os vencimentos do índice tenham gerado volatilidade em alguns momentos. Vale ON terminou o dia em alta de 1,96%, embora o minério de ferro tenha caído quase 1% no mercado chinês. Já as ações da Petrobras sustentaram alta ao longo do dia, apesar das quedas do petróleo, mas anularam o movimento no final do dia. Petrobras ON e PN tiveram baixas de 0,29% e 0,15%, respectivamente.

As máximas do Ibovespa foram registradas à tarde, quando o Federal Reserve divulgou a ata de sua reunião de política monetária. O documento foi considerado “dovish”, devido às dúvidas quanto ao comportamento da inflação nos Estados Unidos e reforçou a estimativa de um aumento gradual de juros nos Estados Unidos.

Até então, as mesas de negociação se dedicaram à repercussão da revisão das metas fiscais do País e das manifestações de duas agências de classificação risco sobre a medida. A fixação do rombo fiscal em R$ 159 bilhões para este e o próximo ano ficou dentro das estimativas mais conservadoras e não foi apontada como fator de tensão. Já a decisão da Standard & Poor’s de retirar o “credit watch” gerou alguma surpresa entre analistas, por afastar o risco de rebaixamento do País no médio prazo.

Entre analistas ouvidos pelo Broadcast, houve um entendimento comum de que o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, chegou a um entendimento com as agências de classificação de risco, para obter um prazo extra para buscar avançar em medidas fiscais importantes, como a reforma da Previdência. Nas manifestações de hoje, S&P e Moody’s mostraram discursos compatíveis com o “voto de confiança” à equipe econômica do governo.

Com as quatro altas consecutivas, o Ibovespa acumulou ganho de 2,39%. No mês, a valorização já chega a 4,06%. Na última segunda-feira, os investidores estrangeiros ingressaram com R$ 476,200 milhões no mercado brasileiro de ações, levando o saldo acumulado de agosto para R$ 870,562 milhões. No acumulado de 2017, o fluxo de recursos estrangeiros está positivo em R$ 8,867 bilhões.

Fonte Oficial: http://jcrs.uol.com.br/_conteudo/2017/08/economia/580080-em-sua-4-alta-seguida-ibovespa-sobe-0-35-e-aproxima-se-dos-69-mil-pontos.html.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!