Jornal do Comércio >> Investidor digere medidas fiscais e Fed; juros fecham estáveis, com viés de baixa

Os juros futuros fecharam a sessão perto da estabilidade, com viés de baixa em alguns contratos, num ambiente de liquidez reforçada pela reação do mercado às medidas fiscais anunciadas pelo governo na terça-feira, 15, à noite e pela ata da última reunião do Federal Reserve (Fed, o banco central dos Estados Unidos) divulgada no período da tarde desta quarta-feira, 16. Ao final da sessão regular, a taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2019 (198.540 contratos) fechou em 8,05%, de 8,06% no ajuste de terça.

A taxa do DI para janeiro de 2020 (102.670 contratos) passou de 8,80% para 8,78%; a do DI para janeiro de 2021 (324.775 contratos) fechou em 9,37%, de 9,38%. E a taxa do DI para janeiro de 2025 (34.720 contratos) terminou estável em 10,25%.

A revisão da meta fiscal de 2017 e 2018, para déficit de até R$ 159 bilhões, de até R$ 139 bilhões e R$ 129 bilhões anteriormente, era o cenário com que o mercado contava, mas houve desconforto e surpresa com a piora dos números para 2019 e 2020. Para 2019, a previsão passou de déficit de R$ 65 bilhões para déficit R$ 139 bilhões. Em 2020, foi de um superávit de R$ 10 bilhões para déficit de R$ 65 bilhões.

“Esses números para 2019 e 2020 mais agressivos surpreenderam. O que atenuou foram as medidas de contenção de gastos e aumento de receitas e a S&P tirando o risco iminente de rebaixamento da nota”, disse o Diretor da Mapfre Investimentos, Carlos Eduardo Eichhorn.

As medidas todas serão encaminhadas ao Congresso Nacional para aprovação. Já a agência de classificação de risco Standard & Poor’s reafirmou na terça o rating global BB do Brasil e a perspectiva negativa, mas retirou o status de observação para possível rebaixamento.

A ata do Fed foi considerada ‘dovish’ (suave) em relação ao aumento de juros. O documento mostrou divisão entre os dirigentes com relação às futuras altas e o enfoque principal foi a incerteza sobre os baixos números de inflação. Vários deles enxergam a atual fraqueza do aumento de preços como pontual, enquanto outros demonstram preocupação com o declínio recente. Além disso, alguns apontaram a probabilidade de a inflação permanecer abaixo de 2% durante mais tempo do que o previsto e sugeriram a postergação do próximo aumento de juros.

A ata amparou ganhos nas bolsas e reforço o recuo do dólar ante o real, com a moeda americana renovando mínimas na última hora. Às 16h27min, a moeda no segmento à vista era negociada em R$ 3,1512 (-0,73%), após tocar os R$ 3,1487.

Fonte Oficial: http://jcrs.uol.com.br/_conteudo/2017/08/economia/580034-investidor-digere-medidas-fiscais-e-fed-juros-fecham-estaveis-com-vies-de-baixa.html.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!