Jornal do Comércio >> Petrobras esclarece pedidos de processos arbitrais por distribuidoras no Uruguai

A Petrobras divulgou nesta quarta-feira (16) comunicado para esclarecer o que precedeu os pedidos de arbitragens internacionais pedidas pelas suas distribuidoras de gás natural no Uruguai, a Distribuidora de Gás de Montevideo (DGM) e a Conecta. O processo foi noticiado esta semana pela imprensa internacional.

Segundo a estatal brasileira, as condições em que as concessões às suas distribuidoras de gás no Uruguai foram feitas originalmente, na década de 1990, não perduraram. A Petrobras ressalta que a única fornecedora de gás para o Uruguai é a Argentina, e desde então as condições mudaram, o que causa “restrição de abastecimento e desequilíbrio econômico-financeiro nos contratos das distribuidoras no Uruguai, principalmente a partir de 2008”, diz a companhia. O preço de importação do gás argentino para o Uruguai foi multiplicado por 8 entre 2005 e 2015, segundo a Petrobras.

Outra alegação da estatal é que foram feitos vários pedidos administrativos e reuniões entre dirigentes da companhia e das distribuidoras com ministros e outras autoridades uruguaias para tentar resolver o problema, sem resultados. Além disso, havia a previsão de construção de uma planta regaseificadora na zona portuária de Montevidéu, que entraria em operação em 2015 e poderia resolver o problema de abastecimento. Mas no mesmo ano, o governo uruguaio interrompeu o projeto.

Ainda de acordo com a Petrobras, a partir de maio de 2017, as condições de fornecimento de gás para as distribuidoras no Uruguai pioraram. A alegação é que as operações ficaram mais caras, e não houve o repasse devido às tarifas pelo governo. “Um novo contrato, negociado entre a estatal uruguaia Administración Nacional de Combustibles, Alcohol y Portland (ANCAP), e a estatal argentina Energia Argentina S.A. (ENARSA), sem participação das distribuidoras, é agora a única opção de aquisição do gás no Uruguai”, diz o comunicado.

Em maio, o governo uruguaio resolveu executar garantia bancária da concessão da DGM, alegando descumprimento do pagamento de parte do arrendamento. A DGM questionou a cobrança da parcela, já que no entendimento da empresa há uma adição “abusiva” de impostos e royalties argentinos no cálculo de cobrança pelo governo uruguaio. A DGM vinha pagando a parte não controvertida da concessão e discutindo a questão em âmbito administrativo.

De acordo com a companhia, as distribuidoras da Petrobras cumprem com todas as suas obrigações e mantêm o serviço de distribuição de gás no Uruguai.

Fonte Oficial: http://jcrs.uol.com.br/_conteudo/2017/08/economia/579988-petrobras-esclarece-pedidos-de-processos-arbitrais-por-distribuidoras-no-uruguai.html.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!