Jornal do Comércio >> Venda de fatias da Infraero vai para caixa da estatal, diz Moreira Franco

As participações de 49% da Infraero nos consórcios que administram os aeroportos concedidos somam algo em torno de R$ 8 bilhões, disse nesta quinta-feira (17) o secretário de Aviação Civil, Dario Lopes, após reunião na Casa Civil para discutir a nova rodada de concessões. A conta não inclui o aeroporto de Viracopos (SP), porque a concessão foi devolvida ao governo federal e o trâmite, nesse caso, é diferente.

A ideia é que esses recursos sejam injetados na própria Infraero, segundo foi discutido na reunião. Mas, do ponto de vista do Ministério dos Transportes, Portos e Aviação Civil, isso não é suficiente para garantir a sustentabilidade da empresa a longo prazo. A manutenção da Infraero é a principal razão por que a pasta dos Transportes é contra a concessão, no ano que vem, do aeroporto de Congonhas. Mesmo que o aeroporto de Santos Dumont (RJ) não seja mais concedido e permaneça com a Infraero, como foi discutido hoje, a avaliação é que as receitas não serão suficientes para preservar a estatal.

O valor exato das participações depende de uma avaliação que ainda está sendo feita. Também será definida a forma como essas participações serão vendidas. Por isso, o ministro-chefe da Secretaria Geral da Presidência, Wellington Moreira Franco, não quis falar em cifras.

Na reunião de hoje, não foi possível conciliar as posições do Ministério dos Transportes e do Ministério do Planejamento, que divergiram abertamente quanto à concessão do aeroporto de Congonhas. A pasta dos Transportes está isolada nessa discussão, mas a decisão oficial só será tomada na reunião do Conselho do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI), marcada para o próximo dia 23.

A proposta dos Transportes para o PPI será a inclusão de dois blocos unindo aeroportos lucrativos com deficitários: um no Nordeste, liderado por Recife (PE), e um no Centro-oeste, liderado por Cuiabá (MT). A concessão de Congonhas deverá ser proposta do Planejamento.

O ministro dos Transportes, Portos e Aviação Civil, Maurício Quintella Lessa, não compareceu à reunião. Ele participava de solenidade na Base Aérea de Brasília, na qual o presidente Michel Temer liberou recursos para seu Estado, Alagoas.

Fonte Oficial: http://jcrs.uol.com.br/_conteudo/2017/08/economia/580250-venda-de-fatias-da-infraero-vai-para-caixa-da-estatal-diz-moreira-franco.html.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!