Valor >> Dólar se apoia no exterior e avança, enquanto bolsa cai

SÃO PAULO  –  O dólar opera em alta nesta quinta-feira (17), recuperando boa parte do terreno perdido na véspera. O movimento acompanha a queda de outras divisas latino-americanas, a exemplo do peso mexicano e o argentino. Durante a manhã, a moeda brasileira chegou a se destacar negativamente numa lista de 33 divisas globais com o pior desempenho do dia.

No Brasil, o efeito no mercado de moedas acaba sendo ampliado diante das incertezas em torno da agenda de reformas e outras medidas para ajuste de contas públicas. No exterior, a divisa americana ensaia uma recuperação ante os papéis globais após a baixa trazida ontem pela ata da última reunião do Federal Reserve (Fed). O documento mostrou que os dirigentes do BC estão divididos em relação à perspectiva de inflação, sinal de que um aperto monetário mais duro pode não acontecer. Ainda nos Estados Unidos, também chama a atenção dos agentes financeiros o desgaste político do presidente Donald Trump por causa dos conflitos recentes, envolvendo questões raciais no país.

Hoje, o BCE indicou o receio de movimentos excessivos no mercado em caso da redução das medidas de estímulo, contribuindo para a queda de moedas europeias ante o dólar.

No Brasil, prevalece a cautela com a agenda de reformas diante de incertezas em torno do ambiente político. As dúvidas que cercam Brasília vão desde a apresentação de uma nova denúncia da Procuradoria Geral da República (PGR) contra o presidente Michel Temer até o apoio dos parlamentares para as mudanças fiscais e a disputa eleitoral de 2018. Com isso, persistem as dúvidas sobre a capacidade do governo de avançar com a agenda de reformas.

Por volta das 13h50, o dólar comercial subia 0,54%, a R$ 3,1628, revertendo boa parte da baixa de 0,87% da véspera. O contrato futuro para setembro, por sua vez, avançava 0,30%, a R$ 3,1725.

Juros

O mercado de renda fixa volta a denotar a cautela dos agentes financeiros com a cena doméstica. Os juros futuros operam em alta firma, enquanto o prêmio continua a aumentar gradualmente. Parte do movimento é atribuído ao ambiente externo menos favorável a ativos de risco nesta quinta-feira. Sem o amortecedor externo, o efeito das preocupações locais fica um pouco mais evidente.

As agências de classificação de riscos mantiveram, por ora, o rating soberano do Brasil, mas exigem avanço das medidas de ajuste.

O DI janeiro/2021 sobe a 9,460% (9,370% no ajuste anterior).

Nos vencimentos mais curtos, os movimentos são limitados por refletirem as apostas de queda da Selic, mesmo com a melhora das expectativas de crescimento econômico de curto prazo. 

O DI janeiro/2018 marca 8,115% (8,110% no ajuste anterior) e o DI janeiro/2019 opera a 8,090% (8,050% no ajuste anterior).

Bolsa

O Ibovespa continuou patinando na casa dos 68 mil pontos, sem força para retomar a trajetória de alta, mas evitando também uma realização de lucros mais forte. O tom negativo que se observou no exterior e as incertezas do lado fiscal seguram o índice. Por outro lado, os sinais de alguma reação da economia, ainda que tênue, impedem uma correção mais expressiva dos preços.

Analistas afirmam que a bolsa precisaria de notícias mais consistentes para romper a barreira identificada pelo mercado para alta, que está fixada nos 69 mil pontos. Trata-se da máxima do ano e, por isso, configura um ponto de resistência importante. E por estar muito perto da máxima história do índice – de 73.516,80 pontos -, a dificuldade em se ultrapassar esse limite fica ainda maior.

Operadores dizem que, se esse ponto for ultrapassado, a bolsa tende a avançar mais. Mas afirmam também que faltam indicadores para que esse movimento ocorra. Seria preciso que notícias mais consistentes do lado fiscal, como uma confirmação da reforma da Previdência – surgissem. Ou ainda que um cenário mais positivo para a retomada da economia se formasse.

Nenhum dos dois elementos parecem o radar. E a preocupação com a aprovação da TLP, considerada fundamental para que o país avance na redução do juro estrutural, pesa contra neste momento.

Por ora, o mercado segue cauteloso e isso justifica a queda de 0,72% do Ibovespa, aos 68.099 pontos, às 14h. Na máxima, o índice foi a 68.596 pontos e, na mínima a 68.068 pontos.

As maiores altas do horário são Lojas Americanas ON (2,91%), Fibria ON (1,65%) e Usiminas PNA (1,52%). A lista das maiores quedas é encabeçada por Eletrobras PNB (-2,79%), Ecorodovias ON (-2,59%) e Smiles ON (-2,28%).

Fonte Oficial: http://www.valor.com.br/financas/5084176/dolar-se-apoia-no-exterior-e-avanca-enquanto-bolsa-cai.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!