Jornal do Comércio >> Coeficiente de exportação reduz a 20,1%

O coeficiente de exportação da indústria de transformação atingiu 20,1% no segundo trimestre deste ano, uma queda de 0,8 ponto percentual frente ao mesmo período do ano passado e de 0,6 ponto ante ao primeiro trimestre de 2017. Os dados são do Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos (Depecon) e do Departamento de Relações Internacionais e Comércio Exterior (Derex) da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo.

A redução do coeficiente, segundo a pesquisa, foi causada pelo declínio de 3,3% das exportações (em quantidade), contra um aumento de 2,8% da produção. Os produtos derivados de petróleo, biocombustíveis e coque tiveram queda de 1,8 ponto percentual ante o mesmo trimestre em 2016. Frente ao primeiro trimestre, o coeficiente do setor passou de 9,1% para 6,9%.

De acordo com o diretor titular do Derex, Thomaz Zanotto, a queda dos coeficientes é marginal. “Ainda faltam alguns meses para 2017 terminar, e já temos o maior saldo comercial em 28 anos. As exportações de manufaturados se recuperaram, principalmente do setor automotivo. A existência de um Plano Nacional de Exportações e uma taxa de câmbio mais previsível foram determinantes para a retomada”, afirmou. Em relação às importações, também houve queda do coeficiente, de 1,3 ponto, para 20,2%, na comparação entre os segundos trimestres de 2017 e de 2016. As importações (em quantidade) tiveram recuo de 5,3%, enquanto o consumo aparente teve alta de 0,9%. Quando comparado ao primeiro trimestre deste ano, a contração do coeficiente foi de 0,6 ponto percentual.

A retração mais forte na comparação na margem foi registrada no setor de máquinas e equipamentos (-3,4 p.p.), embora tenha subido 12,4 pontos em relação ao segundo trimestre de 2016.

A produção de aço bruto no Brasil em julho somou 2,8 milhões de toneladas, uma expansão de 1% em relação ao mesmo mês do ano passado, informou o Instituto Aço Brasil. No mês passado, a produção de laminados foi de 1,8 milhão de toneladas, queda de 3,3% quando comparada ao apurado em julho de 2016. O consumo aparente de aço no País foi de 1,6 milhão de toneladas em julho, 9,0% a mais do que o registrado no mesmo mês de 2016. Já as vendas internas cresceram 3,2% na mesma base de comparação, totalizando 1,4 milhão de toneladas.

As importações de aço cresceram 83,8%, para 204 mil toneladas e aumentaram 50,0% em valor, para US$ 198 milhões também na comparação com julho de 2016. As exportações do setor siderúrgico foram de 1,1 milhão de toneladas ou US$ 553 milhões, o que representa um aumento de 19,5% em volume e crescimento de 37,2% em valor.

A produção de aço bruto no País foi de 19,6 milhões de toneladas no acumulado nos sete primeiros meses de 2017, uma alta de 10,6% quando comparado com o mesmo período de 2016. A produção de laminados foi de 12,8 milhões de toneladas de janeiro a julho, um avanço de 5,4%.

Fonte Oficial: http://jcrs.uol.com.br/_conteudo/2017/08/economia/580366-coeficiente-de-exportacao-reduz-a-20-1.html.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!