Jornal do Comércio >> Dólar cai 1% seguindo exterior, entrada de fluxo e avanço das commodities

O dólar ampliou a queda ante o real nesta tarde de sexta-feira (18), em meio a uma entrada acentuada de fluxo devido à aproximação do cronograma de pagamentos da venda da Vigor para o mexicano Grupo Lala, anunciada no início do mês. A moeda americana, porém, já vinha em queda desde cedo, acompanhando a performance de desvalorização da divisa ao redor do mundo, refletindo dúvidas em relação ao governo do presidente dos EUA, Donald Trump. A saída do estrategista-chefe da Casa Branca, Steve Bannon, repercutiu positivamente e levou os investidores a buscarem ativos de risco, o que pesou mais sobre o dólar internamente. Além disso, o forte avanço do petróleo e do minério de ferro garantiu ganhos às moedas de países emergentes e ligadas às commodities.

“A queda mais acentuada de hoje à tarde foi por causa da entrada de fluxo diante do cronograma de pagamentos da Vigor. O ingresso deve acontecer mais pra frente, mas o investidor já se antecipou e este movimento deve continuar na segunda e na terça-feira”, explicou o diretor da Correparti, Ricardo Gomes da Silva. No início do mês, a JBS fechou acordo para vender a totalidade de sua participação na Vigor Alimentos para o mexicano Grupo Lala, por valor de aproximadamente R$ 1,112 bilhão.

A moeda americana já caía de manhã, acompanhando o movimento de desvalorização ao redor no mundo, tanto em relação a moedas fortes quanto às demais. As divisas consideradas porto seguro, como o iene e o franco suíço, avançaram diante das dúvidas em torno da governabilidade de Trump.

Hoje, outra notícia envolvendo a equipe do presidente americano mexeu com o mercado de câmbio. O dólar já vinha renovando mínimas ante o real em meio a relatos da demissão do estrategista-chefe da Casa Branca, Steve Bannon, após suspeitas do presidente de que Bannon estaria vazando informações. Logo após a confirmação de sua saída do cargo, o dólar atingiu novas mínimas, uma vez que os investidores migraram para os ativos de risco, refletindo em máximas nos mercados acionários em Nova Iorque e no Ibovespa. A reação foi positiva, pois Bannon era integrante da ala protecionista do governo Trump e considerado um dos opositores a Gary Cohn, o diretor do Conselho Econômico Nacional, e responsável pelas reformas defendidas por Trump.

A boa performance do petróleo – que teve alta de mais de 3% – e do minério de ferro – que acelerou 6,81% – contribuiu para a valorização das moedas emergentes e ligadas ao setor.

No mercado à vista, o dólar terminou em baixa de 1,00%, aos R$ 3,1450. O giro financeiro somou US$ 639 milhões. Na mínima, a moeda ficou em R$ 3,1430 (-1,06%) e, na máxima, aos R$ 3,1755 (-0,04%). Na semana, a moeda americana teve queda de 1,71%.

No mercado futuro, o dólar para setembro caiu 0,91%, aos R$ 3,1555. O volume financeiro somou US$ 12,91 bilhões. Durante o pregão, a divisa oscilou de R$ 3,1510 (-1,05%) a R$ 3,1840 (-0,01%).

Fonte Oficial: http://jcrs.uol.com.br/_conteudo/2017/08/economia/580574-dolar-cai-1-seguindo-exterior-entrada-de-fluxo-e-avanco-das-commodities.html.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!