Jornal do Comércio >> Juros fecham em alta após decisão da PGR sobre Romero Jucá

Os juros futuros fecharam a sessão regular desta segunda-feira (21) em alta, definida no período da tarde, refletindo receios com o cenário para as reformas após a informação de que a Procuradoria-Geral da República (PGR) ofereceu denúncia ao Supremo Tribunal Federal (STF) contra o líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), na Operação Zelotes.

A taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2019 (262.820 contratos) fechou em 8,07%, de 8,05% no ajuste anterior; a taxa do DI para janeiro de 2020 (119.525 contratos) terminou na máxima de 8,90%, ante 8,83% no ajuste de sexta-feira. A taxa do DI para janeiro de 2021 (145.370 contratos) avançou de 9,42% para 9,52% (máxima) e a do DI janeiro de 2023 (62.240 contratos) também terminou na máxima, a 10,10%, de 10,01%.

Na Operação Zelotes, Jucá é investigado, no caso que originou a denúncia, por suposto favorecimento ao Grupo Gerdau em uma medida provisória, em troca de doações eleitorais. A Operação detectou indícios de que o senador, que era o relator do texto, alterou a MP 627, de 2013, para beneficiar a siderúrgica. Não há detalhe sobre a acusação feita pela PGR, em razão do segredo de Justiça.

“Trata-se de um membro importante da base do governo e isso pode comprometer o canal de articulação das reformas”, afirmou o economista-chefe da Icatu Vanguarda, Rodrigo Melo. Antes da reforma da Previdência, o governo enfrenta esta semana algumas batalhas no Congresso, entre elas a votação da Medida Provisória (MP) 777, que cria a Taxa de Longo Prazo (TLP), por sua vez é vista como fundamental para eliminar subsídios implícitos e aliviar a dívida pública.

Nesta tarde, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, reiterou a confiança na aprovação da reforma da Previdência neste ano, embora tenha reconhecido que o tema é “controverso”. Disse ver em mais de 50% a chance de a proposta passar até o fim do ano no Congresso e reafirmou que a matéria deverá avançar junto com a reforma tributária, próxima frente a ser atacada pelo governo.

Mais cedo, também teria trazido desconforto ao mercado a decisão do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1) de suspender o leilão das usinas de Jaguara, São Simão, Miranda e Volta Grande, da Cemig. A briga judicial da Cemig com a União, envolvendo a concessão das quatro usinas, está no centro do debate sobre o cumprimento da meta fiscal deste ano.

A equipe econômica incluiu nas contas de 2017 a previsão de arrecadar R$ 11 bilhões com a venda das usinas. A Advocacia-Geral da União (AGU) que deve recorrer ainda nesta segunda-feira.

Fonte Oficial: http://jcrs.uol.com.br/_conteudo/2017/08/economia/580835-decisao-da-pgr-eleva-preocupacao-com-reformas-e-juros-fecham-em-alta.html.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!