Jornal do Comércio >> Tribunal libera aumento do PIS/Cofins no País

O presidente do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1), desembargador Hilton Queiroz, derrubou ontem uma decisão da juíza Adverci Rates Mendes de Abreu, da 20ª Vara Federal de Brasília, que havia suspendido o aumento do PIS/Cofins sobre os combustíveis. Em uma vitória para o Palácio do Planalto, o desembargador liberou a alta do imposto, conforme previsto em decreto assinado pelo presidente Michel Temer.

O desembargador apontou “grave lesão à ordem pública, à economia pública e à ordem administrativa, bem como o imensurável efeito multiplicador” ao suspender a decisão da juíza de primeiro grau.

“Com efeito, é intuitivo que, no momento ora vivido pelo Brasil, de desequilíbrio orçamentário, quando o governo trabalha com um orçamento negativo, decisões judiciais, como a que ora se analisa, só servem para agravar as dificuldades da manutenção dos serviços públicos e do funcionamento do aparelho governamental, abrindo brecha para um completo descontrole do País como um todo”, escreveu o desembargador em sua decisão.

O presidente Temer encaminhou, na quarta-feira passada, ao Supremo Tribunal Federal (STF), um parecer da Advocacia-Geral da União (AGU) que defende a legalidade do decreto que reajustou a alíquota de PIS/Cofins sobre combustíveis. Enquanto juízes em vários pontos do País têm tomado decisões desfavoráveis ao Planalto, tramita no STF ação ajuizada pelo PT contra o decreto.

O PT alega que a medida é inconstitucional, sustentando que o aumento de tributos somente pode se dar mediante lei formal – e não por decreto -, exigível somente após decorrido do prazo de 90 dias da sua publicação.

 

Fonte Oficial: https://worldcambio.com.br/wp-content/uploads/2017/08/jornal-do-comercio-tribunal-libera-aumento-do-piscofins-no-pais.br_conteudo/2017/08/economia/580950-tribunal-libera-aumento-do-pis-cofins-no-pais.html.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!