Jornal do Comércio >> Vice do Equador descarta renúncia, após ser vinculado ao escândalo da Odebrecht

O vice-presidente do Equador, Jorge Glas, afirmou nesta terça-feira que não renunciará a seu cargo nem sairá do país, após ser vinculado ao escândalo de corrupção da construtora brasileira Odebrecht. Em uma entrevista à rádio local Sonorama, Glas disse: “Por que vou renunciar? Fui eleito na chapa, se renuncio saímos os dois”, afirmou, em referência ao presidente Lenín Moreno. “Fui eleito igual ao presidente Moreno e vou permanecer os quatro anos do mandato”, assegurou.

O mandato do presidente e de seu vice começou neste ano e vai até 2021. Glas disse que tem uma função “essencial” de “substituir o presidente quando isso se requer”.

A relação entre Moreno e Glas se rompeu no início de agosto, quando se tornaram públicos áudios de um delator da Odebrecht que vinculavam o vice a atos de corrupção. Imediatamente o presidente retirou todas as funções de Glas e desde então este não tem nenhuma atividade de governo. No Equador, o presidente determina as atividades do vice.

A promotoria pediu que a Corte Suprema vincule Glas a uma investigação penal pelos US$ 33,5 milhões em suborno que a Odebrecht admitiu ter pago para funcionários públicos equatorianos. “Enfrentarei isso com a força de sempre, dando a cara para bater. Não tenho nada a ocultar”, garantiu. Para que o vice possa ser vinculado a uma investigação penal, a Assembleia Nacional deve dar sua autorização com o voto de ao menos 92 dos 137 legisladores. O partido do governo, Alianza País, tem uma bancada de 75 integrantes.

A trama de corrupção da Odebrecht no Equador provocou em junho a renúncia do controlador geral Carlos Pólit, investigado pela promotoria, enquanto o ex-ministro de Eletricidade, Alecksey Mosquera, um tio do vice-presidente e ex-gerentes da empresa estatal Petroecuador estão presos, entre outros processados.

A promotoria também avalia cerca de 30 contratos firmados pela Odebrecht com o Estado equatoriano entre 1980 e 2015 para verificar as condições em que eles foram outorgados. O governo do ex-presidente Rafael Correa (2007-2017) realizou projetos de cerca de US$ 1,6 bilhão com a Odebrecht.

Fonte Oficial: http://jcrs.uol.com.br/_conteudo/2017/08/economia/581033-vice-do-equador-descarta-renuncia-apos-ser-vinculado-ao-escandalo-da-odebrecht.html.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!