Jornal do Comércio >> Setor externo tem déficit de US$ 3,404 bi em julho

Após o superávit de US$ 1,330 bilhão em junho, o resultado das transações correntes ficou negativo em US$ 3,404 bilhões em julho, informou ontem o Banco Central (BC). Foi o primeiro resultado negativo após quatro meses consecutivos de superávits. A instituição projetava, para o mês passado, déficit em conta de
US$ 5,6 bilhões.

“O déficit em conta em julho foi causado por um fator sazonal, que é o pagamento de juros. Foram pagos US$ 4,5 bilhões em juros em julho, mas isso não se repetirá em agosto”, disse o chefe adjunto do Departamento Econômico do BC, Renato Baldini. Ainda assim, ele pontuou que o déficit em conta em julho foi o menor para o mês desde 2009.

A balança comercial registrou saldo positivo de US$ 6,056 bilhões em julho, enquanto a conta de serviços ficou negativa em US$ 3,007 bilhões. A conta de renda primária também ficou deficitária, em US$ 6,597 bilhões. No caso da conta financeira, o resultado ficou no azul em
US$ 3,043 bilhões.

No acumulado do ano até julho, o rombo nas contas externas soma US$ 2,696 bilhões. Já nos últimos 12 meses até julho deste ano, o saldo das transações correntes está negativo em
US$ 13,788 bilhões, o que representa 0,71% do Produto Interno Bruto (PIB). A remessa de lucros e dividendos de companhias instaladas no Brasil para suas matrizes foi de US$ 2,077 bilhões em julho, informou o Banco Central. A saída líquida representa um volume maior que os US$ 1,612 bilhão que foram enviados em igual mês do ano passado, já descontados os ingressos.

No acumulado de janeiro a julho deste ano, a saída líquida de recursos via remessa de lucros e dividendos alcançou US$ 10,833 bilhões. O total é superior ao registrado em igual período do ano passado, quando as remessas foram de US$ 9,488 bilhões. A expectativa do BC é de que a remessa de lucros e dividendos deste ano some US$ 24,5 bilhões.

O BC informou também que as despesas com juros externos somaram US$ 4,543 bilhões em julho, ante US$ 4,617 bilhões em igual mês do ano passado. No acumulado do ano, essas despesas alcançaram US$ 15,627 bilhões, valor maior que os
US$ 14,394 bilhões de igual período do ano passado. Para este ano, o BC projeta pagamento de juros no valor de US$ 22,5 bilhões.

No mês das férias escolares para a maioria das famílias, os brasileiros gastaram US$ 1,8 bilhão em viagens internacionais em julho deste ano. O valor é 38% maior que o verificado no mesmo mês do ano passado, quando os brasileiros deixaram US$ 1,3 bilhão no exterior.

A queda do dólar nos últimos 12 meses, na comparação com o real, deixa as viagens ao exterior mais atrativas para os brasileiros e estimula os gastos fora do País. A moeda norte-americana fechou o mês de julho cotada a R$ 3,11. Já no ano passado, a cotação no fim do mês era de R$ 3,24.

Em todo o ano de 2017, os gastos dos brasileiros em viagens internacionais somaram US$ 10,6 bilhões. O valor é 26% maior que o registrado no mesmo período do ano passado (US$ 7,8 bilhões).

Fonte Oficial: http://jcrs.uol.com.br/_conteudo/2017/08/economia/581420-setor-externo-tem-deficit-de-us-3-404-bi-em-julho.html.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!