Jornal do Comércio >> Comércio fechou lojas, cortou salários e vagas em 2015

A deterioração no mercado de trabalho e a inflação alta afastaram os consumidores das compras em 2015. A redução nas vendas já era conhecida, mas o resultado da Pesquisa Anual de Comércio (PAC) daquele ano mensura o impacto do primeiro ano da crise no comércio brasileiro: fechamento de estabelecimentos, demissão de funcionários e queda no salário médio. Os dados foram divulgados nesta quinta-feira pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Em 2015, o País tinha 1,573 milhão de empresas dedicadas ao comércio, que geraram R$ 3,1 trilhões de receita operacional líquida e R$ 550,5 bilhões de valor adicionado bruto. Naquele ano, foram pagos R$ 206,3 bilhões em salários, retiradas e outras remunerações a 10,3 milhões de pessoas ocupadas, em 1,705 milhão de unidades locais.

“No segmento varejista, as empresas são de menor porte, então, elas acabam tendo que empregar a maior parte do pessoal ocupado, porque existem muitas: 78% das empresas da PAC são do segmento varejista. Como há uma quantidade maior de empresas nesse segmento de comércio, ele acaba empregando mais”, disse a gerente da pesquisa, Danielle Chaves de Oliveira.

Segundo o IBGE, o desempenho do comércio foi impactado por variáveis que determinam o comportamento do consumidor. Em 2015, a restrição ao crédito e a redução na renda diminuíram a confiança do consumidor e, consequentemente, o consumo das famílias.

A receita operacional líquida do comércio caiu 0,5% na passagem de 2014 para 2015. O número de unidades locais ficou 1,7% menor. O mau desempenho teve consequências para o mercado de trabalho no setor. O número de vagas diminuiu 3,9% em relação a 2014, enquanto o salário médio mensal real de quem permaneceu empregado encolheu 0,8%. Como consequência, a massa salarial real paga aos trabalhadores foi reduzida em 1,7%.

Em relação à produtividade, o destaque também foi o comércio atacadista, com R$ 111.351,00 de valor adicionado gerado por pessoa ocupada, contra uma média de R$ 53.579,00 no total da pesquisa. Entre as atividades pesquisadas, a liderança foi também do comércio atacadista de combustíveis e lubrificantes:
R$ 348.417,00 por trabalhador.

O segmento de comércio de veículos, peças e motocicletas teve o pior desempenho no ano, com queda de 11% na receita operacional líquida, recuo de 4,2% no pessoal ocupado e redução de 0,8% no número de unidades locais. Ainda assim, o segmento aumentou em 0,3% o salário médio mensal dos trabalhadores que permaneceram ocupados.

Região Sudeste foi destaque nos principais itens da pesquisa realizada pelo IBGE

Em 2015, o Sudeste se destacou nas principais variáveis da Pesquisa Anual do Comércio (PAC) do IBGE. A receita bruta de revenda ficou em 51,5% do total, a massa salarial em 56,3%, as pessoas ocupadas atingiram 51,6% e unidades locais chegaram a 50,4%. O salário médio pago pelas empresas foi de 2 salários-mínimos. O Sudeste ficou acima da média, pagando 2,1 salários-mínimos. Entre as demais regiões, uma igualou e três ficaram abaixo dessa média: Sul (2), Norte (1,9), Centro-Oeste (1,8) e Nordeste (1,5).

O Sudeste teve redução em sua participação na receita global. “O Sudeste tinha participação na receita de 63,3% e agora tem 51,1% “, disse a gerente da pesquisa, Danielle Chaves de Oliveira.

A pesquisadora explica que o comportamento no Nordeste é diferente das outras regiões, que têm no atacado as receitas maiores do que no varejo. “No Nordeste isso se inverte, a receita bruta de revenda no varejo é de 49,7% e é maior do que no atacado.”

Segundo Danielle, não é possível saber ainda se o impacto da crise econômica sobre o comércio se esgotou em 2015 e se a partir daquele ano vai ocorrer recuperação. De acordo com a gerente, somente quando forem anunciados os dados de 2016 haverá condição de fazer esse tipo de análise. Para ela, é interessante lembrar que em 2014, em relação a 2013, houve aumento real de 6,2% no total do comércio em geral e não tinha reflexo da crise. Por isso, ela avaliou que a queda de 0,5% em 2015 deve ser considerada estabilidade.

Fonte Oficial: http://jcrs.uol.com.br/_conteudo/2017/08/economia/581634-comercio-fechou-lojas-cortou-salarios-e-vagas-em-2015.html.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!