Jornal do Comércio >> Juros do cartão crescem e acumulam 370,1% ao ano

Em meio à queda da Selic e quatro meses após a implementação das novas regras para o crédito rotativo do cartão, as taxas de juros da modalidade chegaram a 370,1% ao ano em junho, segundo informou o Banco Central (BC) nesta quinta-feira. Em junho, a taxa foi de 333,4% ao ano.

Desde o dia 3 de abril deste ano, ninguém pode ficar mais de 30 dias no crédito rotativo do cartão, por determinação do BC. Pelas novas regras, se, na data do vencimento, o cliente não tiver feito o pagamento total do valor da fatura, o restante terá que ser parcelado ou quitado. Em abril, a taxa sofreu uma redução e teve seu menor valor do ano, com 284%. Mesmo assim, de lá para cá, os números voltaram a subir gradualmente nos meses seguintes, e, agora, retornaram ao mesmo patamar de fevereiro, quando fechou o mês em 370,7%.

Os juros médios, por sua vez, avançaram a 46,6% em julho, sobre 46,2% em junho, voltando a subir após quatro quedas seguidas. No período, o spread bancário – diferença entre o custo de captação das instituições financeiras e a taxa efetivamente cobrada ao tomador final – teve alta de 1 ponto percentual, a 37,6 pontos percentuais.

A elevação da taxa média de juros, em movimento acompanhado pelos spreads, pode ser atribuída mais a fatores sazonais do que a uma reversão da tendência verificada nos meses anteriores, diz Fernando Rocha, chefe adjunto do departamento econômico do BC.

“Em períodos mais longos, a taxa de juros tem uma queda; não vemos indícios de que o movimento de queda de juros bancários tenha parado”, afirma Rocha.

O mercado de crédito brasileiro iniciou o terceiro trimestre com retração de 0,6% no estoque total em julho sobre o mês anterior, a R$ 3,062 trilhões. No acumulado do ano, o estoque total apresenta retração de 1,4%.

Segundo Rocha, o saldo total de crédito em julho devolveu aumento de junho e redução decorreu principalmente do crédito livre, puxado por diferentes fatores. “Em termos de pessoas jurídicas, Plano Safra se encerra em junho; depois disso, nos outros meses, tem um desempenho mais normal com base anterior. Temos algumas modalidades de pessoas físicas com isso também. A impressão é que tenha a ver com ciclo. Nas férias de julho, as pessoas têm menos tempo para sacar recursos”, apontou Rocha.

Os dados do BC mostraram ainda que, considerando apenas o segmento de recursos livres, a inadimplência foi de 5,6% em julho, repetindo a mesma taxa de junho.

O crédito para empresas continua em queda em um movimento de contração liderado pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (Bndes). Apesar dessa trajetória, Rocha nota que há algumas operações para setores específicos que sinalizam alguma melhora.

Em julho, a concessão média de novos empréstimos para empresas caiu 21,9% na comparação com junho nas linhas de crédito com recursos livres – sem destinação específica, como capital de giro – e recuou 35,5% nas operações direcionadas – como o financiamento para investimentos.

Boa parte dessa tendência, avalia Rocha, é resultado da atuação mais restritiva do banco de fomento. “O Bndes está em tendência de redução do crédito, o que afeta todo o crédito pessoa jurídica”, disse, ao comentar que a instituição é conhecida por operações direcionadas, mas também atua no crédito livre ao oferecer operações como o capital de giro.

Fonte Oficial: http://jcrs.uol.com.br/_conteudo/2017/08/economia/581713-juros-do-cartao-crescem-e-acumulam-370-1-ao-ano.html.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!