Valor >> Medida de risco de longo prazo renova máxima dos juros

SÃO PAULO  –  Os juros futuros de curto prazo voltaram a cair nesta sexta-feira, com investidores adicionando posições em prol de uma Selic mais baixa. Por outro lado, as taxas mais longas tomaram fôlego durante a tarde, movimento que levou a inclinação a bater novas máximas em três anos e meio.

Analistas ponderam que, após uma semana de notícias positivas para o curto prazo, questões estruturais e que mexem com expectativas para a dívida no futuro continuaram tangenciadas.

A aprovação na Câmara dos Deputados da MP que cria a TLP e o anúncio do pacote de privatizações deram respiro a investidores receosos com novas denúncias contra o governo Temer. Ainda assim, falta definição sobre quando a reforma da Previdência voltará a ser debatida com propriedade. E o desconforto aumenta conforme os mercados mensuram os riscos à agenda de reformas à medida que se aproxima o ano eleitoral.

Ao fim do pregão regular, às 16h, o DI janeiro/2021 tinha taxa de 9,290% (9,300% no ajuste de ontem), longe da mínima do dia (9,240%).

O DI janeiro/2023 subia a 9,930% (9,920% no ajuste anterior), revertendo queda a 9,890%.

O DI janeiro/2019 cedia a 7,820% (7,870% no último ajuste).

E o DI janeiro/2018 caía a 7,875% (7,930% no ajuste anterior).

A inclinação entre os DIs janeiro/2023 e janeiro/2019 – uma medida de risco de longo prazo – bateu 211 pontos-base, de 207 pontos ontem. É uma nova máxima em três anos e meio.

Na semana, esse spread avançou 14 pontos-base.

Fonte Oficial: http://www.valor.com.br/financas/5095470/medida-de-risco-de-longo-prazo-renova-maxima-dos-juros.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!