Jornal do Comércio >> Juros futuros de curto e médio prazos fecham em queda e longos ficam estáveis

Os juros futuros de curto e médio prazos fecharam em queda nesta sexta-feira (25), enquanto os vencimentos longos terminaram a sessão regular perto dos ajustes de ontem. A partir dos vértices intermediários, o movimento de baixa perdeu força desde o meio da tarde, na medida em que o dólar se firmou em alta na etapa vespertina. As taxas curtas, por sua vez, seguiram com recuo firme, refletindo o otimismo do mercado com o cenário desinflacionário e de queda da Selic.

A taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2019 (218.560 contratos) fechou em 7,82%, de 7,87% no ajuste de ontem. A taxa do DI para janeiro de 2020 (132.350 contratos) caiu de 8,68% para 8,66% e a do DI para janeiro de 2021 (200.760 contratos) encerrou estável em 9,30%. A taxa do DI para janeiro de 2023 (45.450 contratos) passou de 9,92% para 9,93%.

Após uma semana de agenda e noticiário intensos, a sexta-feira foi mais morna em termos de ventos de impacto para os preços dos ativos, tendo como destaque a participação da presidente do Federal Reserve, Janet Yellen, no simpósio de Jackson Hole. “Ela não deu sinalização sobre política monetária e, assim, a interpretação foi de que não deve haver mudança no gradualismo de aperto monetário de curto prazo. O dólar reagiu em queda e levou junto os juros”, explicou o estrategista-chefe do Banco Mizuho, Luciano Rostagno.

No meio da tarde, a moeda americana inverteu a direção e passou a subir ante o real, em meio a cautela antes do fim de semana e a um pouco de realização de lucros, o que também fez com que os juros reduzissem a queda. Em Jackson Hole, em seu discurso o presidente do Banco Central Europeu (BCE), Mario Draghi, a exemplo de sua colega Yellen, não comentou sobre política monetária.

No Brasil, a Receita Federal informou nesta tarde que a arrecadação somou R$ 109,948 bilhões em julho, um recuo real (já descontada a inflação) de 0,34% na comparação com o mesmo mês de 2016. Em relação a junho deste ano, houve aumento real de 5,37%. O dado não chegou a mexer com o mercado, uma vez que ficou em linha com a mediana das estimativas de R$ 109,900 bilhões.

Já o ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou a retirada do sigilo da delação premiada do ex-governador de Mato Grosso Silval Barbosa (PMDB) e autorizou a abertura de um inquérito para apurar uma organização criminosa que se instalou na alta cúpula do governo do Estado, de acordo com o relato do procurador-geral da República Rodrigo Janot.

Fonte Oficial: http://jcrs.uol.com.br/_conteudo/2017/08/economia/581927-juros-futuros-de-curto-e-medio-prazos-fecham-em-queda-e-longos-ficam-estaveis.html.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!