Jornal do Comércio >> BRDE tem lucro líquidode R$ 63,8 milhões no semestre

Guilherme Daroit

Nos primeiros seis meses de 2017, o resultado líquido do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) ficou em R$ 63,8 milhões. O lucro foi menor do que o realizado no primeiro semestre do ano passado, quando chegou aos R$ 77,6 milhões, mas acabou impactado por um Programa de Demissão Voluntária (PDV) ao qual aderiram 140 funcionários e que custou R$ 17,4 milhões no período. O BRDE ainda contabilizou um valor total de operações de créditos em queda, atingindo R$ 1,272 bilhão no período, mas explica a situação pela retração no crédito federal.

O balanço do BRDE, banco de desenvolvimento mantido pelos três estados da região Sul, foi divulgado ontem, em Porto Alegre. Ao comentar sobre o resultado, o diretor-presidente da entidade, Odacir Klein, ressaltou o papel do PDV (sem o qual, o lucro chegaria aos R$ 81,2 milhões, acima do realizado no ano passado) e defendeu a medida, que ajudará nos balanços futuros. “Com o avanço da tecnologia, são cargos já sem a mesma necessidade que tiveram no passado”, comentou. A adesão significa a redução de um quinto do quadro, de servidores mais antigos e com maiores salários, que não devem ser substituídos.

Em tempos de torneiras fechadas no Bndes, principal fonte de recursos para o BRDE, também caiu o total emprestado pelo BRDE. No primeiro semestre de 2017, o crédito tomado chegou a R$ 1,272 bilhão, ante o R$ 1,844 bilhão repassado nos seis meses iniciais de 2016. Mesmo assim, o resultado é, em termos de recursos federais, melhor do que nos demais bancos. No fim de 2016, por exemplo, o BRDE respondia por 14,7% das operações indiretas do Bndes na região Sul – agora em junho, mesmo com a queda, ganhou participação, passando a representar 17%.

Vilã dos últimos períodos, a Provisão para Créditos de Liquidação Duvidosa, valor que o banco destina em seu balanço para cobrir as parcelas não pagas por seus clientes, teve a sua repercussão negativa enfraquecida no semestre. O BRDE ainda precisou destacar um valor alto, de R$ 123 milhões, para esse item (próximo aos R$ 131 milhões destacados no primeiro semestre do ano passado), mas a diferença acabou sendo na outra ponta, a da recuperação de créditos. Neste ano, com cobranças e renegociações, foram reavidos R$ 71 milhões, o que, no ajuste das contas, ainda resulta em uma perda de R$ 52 milhões. Mesmo assim, bem abaixo do ano passado, quando apenas R$ 26 milhões haviam sido recuperados, resultando em um prejuízo de R$ 105 milhões.

“O ano de 2016 foi assustador nesse sentido, porque começaram a vencer as carências dos empréstimos facilitados e estimulados dos anos anteriores, e isso resultou em muita falta de pagamento. Mesmo assim, conseguimos manter nossa inadimplência sob controle”, afirma Klein. Em junho de 2017, a inadimplência dos clientes do BRDE estava em 2,7%, abaixo da média do Sistema Financeiro Nacional, que era de 3,7%. A taxa é maior do que a registrada um ano antes (2,44%), mas já apresenta queda em relação ao fim de 2016, quando chegou aos 2,81%.

“Temos demanda por recursos, não há sobra, e temos que ser seletivos. O que possuímos de oferta estamos passando a projetos realmente viáveis e que representam desenvolvimento”, defende Klein. Do total emprestado de janeiro a junho, quase metade (44,5%) aconteceu no Rio Grande do Sul. A agência gaúcha concedeu R$ 566 milhões, que alavancaram investimentos de R$ 1,239 bilhão.

Ainda que tenha diminuído a participação do Bndes em sua carteira de crédito, de 99% há dois anos para 97%, o BRDE segue nos esforços para diminuir a sua dependência “quase irresponsável”, como analisa o diretor de planejamento, Luiz Correa Noronha, do banco federal. Em setembro, o BRDE assinará uma espécie de pré-contrato com a Agência Francesa de Desenvolvimento (AFD), que, ainda em 2017, liberará ¤ 50 milhões para projetos ligados à sustentabilidade.

Em relação a recursos internacionais, Noronha também projeta liberar, no início de 2018, outra linha – esta, do Banco Europeu de Investimento (BEI), conhecido por ter as taxas mais baratas do mercado mundial. Também na casa dos ¤ 50 milhões, será voltada a vários segmentos, como pequenas e médias empresas.

O próprio BEI, além do Fundo Financeiro para Desenvolvimento da Bacia do Prata (Fonplata) e do banco do Brics, também integra a nova versão do programa BRDE Municípios, voltado às prefeituras da região Sul. Lançado no ano passado, o programa era viabilizado por um destaque de capital do BRDE, exigência legal que acaba diminuindo o patrimônio do banco e, com isso, reduzindo também o limite de repasses do BRDE.

Agora, terá cinco tipos de atuação: além do destaque, em menor volume, e dos bancos internacionais, o banco também trabalhará com recursos do programa Avançar Cidades, do Ministério das Cidades, com a prestação de serviços financeiros em geral e com o apoio às Parcerias Público-Privadas (PPPs), garantindo crédito aos vencedores dos leilões.

Fonte Oficial: http://jcrs.uol.com.br/_conteudo/2017/08/economia/582108-brde-tem-lucro-liquidode-r-63-8-milhoes-no-semestre.html.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!