Jornal do Comércio >> Relator de novas metas fiscais diz que houve inversão do acordo de votação

Os parlamentares inverteram o acordo e a Comissão Mista de Orçamento (CMO) agora vai esperar o plenário do Congresso Nacional encerrar a apreciação dos vetos para só então iniciar a discussão do projeto que amplia a possibilidade de déficit fiscal para 2017 e 2018, informou nesta noite de terça-feira (29), o deputado Marcus Pestana (PSDB-MG), relator da proposta de mudança nos objetivos.

Antes, havia a previsão de que a sessão do Congresso seria interrompida para que a CMO votasse a mudança nas metas a partir das 17h30, mas a comissão não retomou até agora os trabalhos.

Dos 21 vetos que trancavam a pauta de votações do Congresso, 9 foram destacados e estão sendo votados um a um no plenário. Outros 12 são votados por meio de cédula com leitura eletrônica dos votos, o que acelera o processo. Na prática, faltam agora três votações de vetos.

A base do governo tem demorado para colocar parlamentares em número suficiente para votar os vetos, o que tem retardado os trabalhos e, consequentemente, atrasou a votação da mudança na meta fiscal. Pestana admitiu o clima de “letargia” entre os deputados e senadores, mas disse que não é possível “amarrar todo mundo no plenário”. Ele atribuiu o problema à falta de consciência dos parlamentares sobre a gravidade da crise fiscal.

Na visão do relator, a mudança das metas deve ser votada pelo plenário do Congresso Nacional apenas amanhã pela manhã.

Fonte Oficial: http://jcrs.uol.com.br/_conteudo/2017/08/economia/582636-relator-de-novas-metas-fiscais-diz-que-houve-inversao-do-acordo-de-votacao.html.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!