Jornal do Comércio >> Tensão reduzida no exterior e espera por Congresso deixam dólar estável

Menor aversão ao risco no exterior reduziu o movimento comprador do dólar ante o real, que passou a operar de lado praticamente durante toda a tarde desta terça-feira (29). Especialistas de mercado apontaram um movimento de compasso de espera por uma agenda importante de votações no Congresso e dados econômicos nos EUA ao longo da semana. Durante a manhã, a moeda americana operou em alta na sequência de maior busca por proteção, após a Coreia do Norte ter disparado um míssil que sobrevoou o Japão antes de cair no mar.

Após a moeda americana estressar mais cedo com os desdobramentos em torno da Coreia do Norte, o dólar ante o iene – moeda considerada porto seguro – inverteu tendência e passou a subir no início da tarde. O movimento abriu espaço ante outras moedas consideradas seguras, o que levou o Dollar Index – que mede a divisa dos EUA ante seis moedas fortes – a subir 0,14%, após ter recuado mais de 0,50% pela manhã.

“O dólar conseguiu voltar ao patamar anterior porque o mercado está em lua de mel com a percepção de que a economia está descolada do político. O câmbio deve se manter neste patamar até que seja divulgada alguma notícia que gere algum alerta”, pontuou o diretor de câmbio da Abrão Filho, Fernando Oliveira.

Para o analista da Rio Gestão de Recursos Bernard Gonin, um dos fatores que têm deixado o mercado de lado é o aguardo pela segunda denúncia contra o presidente Michel Temer que o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, poderá apresentar. “Embora a segunda denúncia possa vir menos forte que a primeira, esse é um motivo que tem deixado o dólar sem direção única ao longo da sessão”, explicou o analista.

No entanto, as atenções dos investidores continuam focadas às votações no Congresso. O compasso de espera reflete principalmente o aguardo pela conclusão da votação da Taxa de Longo Prazo (TLP) no plenário da Câmara, que só deve acontecer após o Congresso votar os vetos presidenciais que estão trancando a pauta. Após o fechamento do mercado, foi divulgado que a votação dos destaques da TLP ficará para amanhã. Está prevista ainda para hoje a votação sobre a revisão da meta fiscal na Comissão Mista de Orçamento (CMO).

O analista da Rio Gestão lembrou também uma agenda importante de dados no exterior esta semana, com destaque para a criação de vagas no setor privado e a segunda leitura do Produto Interno Bruto (PIB) dos EUA no segundo trimestre, amanhã, e o relatório de emprego (payroll) na sexta-feira.

No mercado à vista, o dólar terminou em alta de 0,04%, aos R$ 3,1655. O giro financeiro somou US$ 1,49 bilhão. Na mínima, a moeda ficou em R$ 3,1588 (-0,16%) e, na máxima, aos R$ 3,1763 (+0,38%).

No mercado futuro, o dólar para setembro caiu 0,11%, aos R$ 3,1665. O volume financeiro movimentado somou US$ 12,60 bilhões. Durante o pregão, a divisa oscilou de R$ 3,1600 (-0,31%) a R$ 3,1780 (+0,56%).

Fonte Oficial: http://jcrs.uol.com.br/_conteudo/2017/08/economia/582571-tensao-reduzida-no-exterior-e-espera-por-congresso-deixam-dolar-estavel.html.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!