Jornal do Comércio >> Acordo entre Mercosul e Egito entra em vigor 7 anos após assinatura

Sete anos após sua assinatura, entrou em vigor nesta sexta-feira (1º) o acordo de livre comércio entre o Mercosul e o Egito. Esse foi o primeiro entendimento assinado pelo bloco sul-americano com um país da África. A demora para a entrada em vigor se deveu à lentidão com que seus termos foram aprovados pelos Legislativos dos países integrantes do Mercosul. Enquanto o Egito obteve aval de seu parlamento em 2013, o governo da Argentina fez o mesmo no início deste mês.

O Congresso brasileiro aprovou os termos do acordo em 2015, tendo sido o mais rápido nesse processo entre os membros do Mercosul. O presidente Michel Temer deverá assinar o decreto de promulgação após análise pela Casa Civil da Presidência.

“Com a sua entrada em vigor, o Mercosul e o Brasil garantem seu acesso facilitado a um mercado de 100 milhões de consumidores”, informou em nota o Ministério das Relações Exteriores. “O acordo cria novas oportunidades para exportações brasileiras de produtos como frango, café solúvel, papel, automóveis e autopeças, entre outros.”

Um conjunto de tarifas de importação cobradas no comércio bilateral serão eliminadas. De imediato, essa redução a zero atingirá 26% do universo de produtos importados pelo Mercosul e 31% dos importados pelo Egito. Ao final de dez anos, a redução a zero abrangerá 99% dos itens importáveis pelo bloco sul-americano e 97% dos exportáveis para o Egito.

Atualmente, a balança comercial com o Egito é amplamente favorável ao Brasil. No ano passado, de acordo com dados do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC), o Brasil exportou US$ 1,77 bilhão para lá. Os principais itens foram: carne bovina, açúcar, milho, minério de ferro e frangos. No mesmo período, o Brasil comprou US$ 94 milhões em mercadorias egípcias, sendo os principais: fertilizantes, nafta e azeitonas. 

Segundo o MDIC, acordo trata sobre o comércio de bens. Porém, contém cláusula que abre a possibilidade para futuros acordos para as áreas de comércio e de investimentos.

A assinatura de acordos comerciais é uma das prioridades da política externa do atual governo. A avaliação é que o Brasil e o Mercosul ficaram fora do circuito de negociações de áreas de livre comércio, enquanto os demais países buscaram maior integração. Uma consequência disso é que concorrentes do Brasil ingressam em mercados importantes sem pagar tarifa, enquanto os produtos daqui são taxados.

Mercosul e União Europeia esperam anunciar ao final deste ano o fechamento de um “acordo político” para o livre comércio entre os dois blocos. Significa que a intenção é fechar as linhas básicas de um acordo em 2017, deixando detalhes para posterior negociação. Também estão na mira do Mercosul acordos com o Efta (Suíça, Noruega, Finlândia e Liechtenstein) e o Canadá, por exemplo. O Brasil negocia a ampliação de seu acordo com o México.

O ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes, acompanha Temer na China e permanecerá na Ásia para prospectar o interesse dos países da Asean (Brunei, Camboja, Indonésia, Laos, Malásia, Mianmar, Filipinas, Cingapura, Tailândia e Vietnã) em acordos comerciais.

Fonte Oficial: http://jcrs.uol.com.br/_conteudo/2017/09/economia/583430-acordo-entre-mercosul-e-egito-entra-em-vigor-7-anos-apos-assinatura.html.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!