Jornal do Comércio >> Juros longos fecham em alta, mas curtos recuam com apostas do Copom

Os juros futuros de longo prazo fecharam a sessão regular desta sexta-feira, (1º) com sinais distintos, mas não muito distantes dos ajustes anteriores. Os contratos de curtíssimo prazo, até 2019, fecharam em queda, e os demais vencimentos terminaram em alta, definida na hora final da sessão regular, quando esses contratos foram para as máximas.

Segundo profissionais da área de renda fixa, o movimento reflete um ajuste de posições de proteção contra o risco antes do fim de semana, em meio à possibilidade de homologação do acordo de delação do doleiro Lúcio Funaro e da apresentação de mais uma denúncia pela Procuradoria-Geral da República (PGR) contra o presidente Michel Temer.

A taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2018 (339.765 contratos) fechou em 7,790%, de 7,805% no ajuste de quinta-feira; a taxa do DI para janeiro de 2019 (241.645 contratos) fechou na máxima de 7,80%, de 7,76% no ajuste anterior; a taxa do DI para janeiro de 2021 (156.145 contratos) subiu de 9,18% para 9,21% (máxima) e a do DI para janeiro de 2023 (46.795 contratos), de 9,82% para 9,84% (máxima).

A postura mais cautelosa, no entanto, não reflete mudança na percepção positiva dos agentes sobre a economia, num dia repleto de indicadores benignos: PIB do segundo trimestre melhor do que a mediana das estimativas; saldo comercial de agosto recorde para o mês; IPC-S de agosto (0,13%) abaixo do piso das previsões (0,23%) e alta na venda de veículos em agosto apurada pela Fenabrave.

“Há um certo receio do que possa ser divulgado no fim de semana, com mais do caso JBS e a delação do Funaro, sem falar da segunda denúncia contra Temer que pode sair a qualquer momento. Mas, se nada se confirmar, na segunda-feira as taxas voltam a fechar”, disse o sócio-gestor da Leme Investimentos, Paulo Petrassi.

Já os contratos curtos fecharam com taxa em queda, refletindo o aumento de posições relacionadas à decisão do Comitê de Política Monetária (Copom) na próxima semana, com o mercado dando como certa uma nova redução de 1 ponto porcentual da Selic.

Fonte Oficial: http://jcrs.uol.com.br/_conteudo/2017/09/economia/583418-juros-longos-fecham-em-alta-mas-curtos-recuam-com-apostas-do-copom.html.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!