Jornal do Comércio >> Bradesco eleva de zero para 0,7% previsão para PIB em 2017 e prevê 2,5% em 2018

O Bradesco divulgou nesta sexta-feira (8) revisão de projeções para o Brasil, em que vê um cenário de menor inflação, juro mais baixo e maior crescimento da economia este ano e no próximo. A estimativa de expansão do Produto Interno Bruto (PIB) em 2017 passou de crescimento zero para 0,7%. Em 2018, o banco vê avanço de 2,5%, ante 2% previsto anteriormente.

“A recuperação da economia se consolida, sem aceleração da inflação”, destaca o relatório do banco. “As notícias positivas com o desempenho da atividade econômica continuam.” O banco ressalta que, além da surpresa com o PIB do segundo trimestre, um conjunto amplo de indicadores do início do terceiro trimestre confirmam que a retomada tem persistido.

Em meio às mudanças de previsões, o Bradesco cortou a estimativa para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) deste ano, de 3,4% para 3% e em 2018 estima que o indicador deve ficar em 3,9%. “Apesar dos sinais de retomada do consumo, as surpresas baixistas com a inflação persistem”, destaca o documento.

Com o quadro benigno para a inflação e o crescimento moderado do PIB, o Bradesco espera que o BC vai seguir cortando juros. Com isso, a estimativa para a taxa básica, a Selic, no final de 2017 foi cortada de 7,5% para 7% ao ano. Para o banco, este patamar deve seguir em 2018. “Os limitados riscos para a inflação de 2018 devem fazer o Banco Central seguir cortando um pouco mais os juros.”

Um dos fatores que devem contribuir para a baixa pressão inflacionária é o comportamento da taxa de câmbio, destaca o relatório. O Bradesco projeta que o dólar feche o ano em R$ 3,10 e termine 2018 em R$ 3,20. “Entendemos que os prêmios de risco do país devam se manter relativamente estáveis e que o cenário externo continuará ao menos razoável para preços de ativos dos países emergentes.”

Ao falar do PIB, a retomada da economia tem sido puxada pelo consumo privado, destaca o Bradesco, ressaltando que este “é o primeiro passo para que os investimentos também voltem a crescer”. O banco observa que o mercado de crédito dá sinais de recuperação. O relatório também menciona a retomada do mercado de desemprego. O Bradesco espera que a taxa média de desemprego fique em 13,1% este ano e 13% em 2018.

Na área fiscal, o Bradesco prevê déficit primário de R$ 159 bilhões em 2017, mesmo valor da meta do governo. “Para atingir esse resultado, alguns fatores terão de ser observados até o final do ano, como aumento da arrecadação de impostos com PIS/Cofins de combustíveis e Refis”, menciona o relatório.

Para 2018, o banco espera melhora do resultado primário por conta do maior crescimento da economia e do programa de privatizações do governo, que deve gerar recursos extras para os cofres públicos. A estimativa do banco é que o déficit fique ao redor de R$ 155 bilhões, pouco abaixo da meta do governo, também de R$ 159 bilhões.

Fonte Oficial: http://jcrs.uol.com.br/_conteudo/2017/09/economia/584554-bradesco-eleva-de-zero-para-0-7-previsao-para-pib-em-2017-e-preve-2-5-em-2018.html.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!